Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2010

Vanessa

“Carlos Eduardo, ou Kadu – como é mais conhecido – é um cara normal.  Não é burro, mas também não é inteligente ao extremo; está mais para bonito do que para feio, mas mesmo assim não é lá uma capa de revista; não tem manias irritantes e não tem charmes irresistíveis; não tem nenhum defeito e nenhuma qualidade extraordinária que o destaque dos demais rapazes de vinte e poucos anos. Ou melhor, tem um grande defeito: ter se envolvido com a vagabunda da Vanessa há 3 anos atrás.Vanessa era, definitamente, uma vaca. Provavelmente ainda é, mas nem eu e nem o Kadu temos mais notícias dela. Vanessa era daquele tipo de mulher com a qual nenhum homem merece se envolver. Era fútil, fácil, manipuladora e egoísta. Dava nojo ouvi-la falar, tamanhas bobagens que aquela mulher dizia. Fora o jeito de falar, as gírias, a falta de modos. Andava excessivamente maquiada e com aquelas sombrancelhas estranhas que eu só consigo definir como “típicas de piranhas ou travestis”. Vanessa era muito escrota e, ape…

Bom dia… monstro?!

Não gosto de acordar.

Bom, na verdade eu gosto. O que eu não gosto é da maneira que estamos quando acordamos. Você chega em casa de noite, janta, toma aquele banho gostoso, escova os dentes, passa desodorante, coloca uma roupa simples porém limpinha, e vai deitar. E aí, após a noite de sono, acorda… destruído. Não digo no sentido de mal disposto, afinal a função do sono é (deveria ser) revigorar, mas sim na aparência.Dependendo da posição em que você dorme, sua cara amanhace vermelha, amassada e com marcas, uns relevos estranhos, como se um carro tivesse passado por cima de você várias vezes. Eu não consigo entender como algumas horas deitado e de olhos fechados podem te deformar tanto. Acho que nem um enxame de abelhas consegue tal proeza.Seu cabelo fica tudo, menos um cabelo decente. Uma noite de sono é capaz de produzir em você os mais bizarros penteados. E nem eu que sou homem e tenho o cabelo curto escapo dos efeitos do sono sobre ele. De vez em quando eu acordo com um topete…