Pular para o conteúdo principal

Batizado


Inácio acendeu uma vela diante da imagem de São José. Pediu ao santo, chefe da Sagrada Família, que o ajudasse a enfrentar aquela situação. Madalena, sua nova namorava, estava grávida. O aborto era uma medida impensável para um sujeito maduro e religioso. Mas precisava digerir a ideia de assumir uma criança junto com uma mulher que, de certa forma, pouco conhecia. E São José entendia bem disso.

Inácio conheceu Madalena dentro da igreja, na Pastoral do Dízimo. A moça, uns 20 anos mais jovem, era habilidosa com os números e, por isso, havia decidido voluntariar-se como tesoureira dentro da Paróquia do padre Romão. Um dia, Inácio apareceu e disse que desejava contribuir com o dízimo. “Preciso dar 10% do meu salário?”. “Você dá quanto você quiser, o que o seu coração pedir”, respondeu a jovem sorrindo. A partir daí, os encontros e sorrisos foram ficando mais frequentes. E Inácio doava o que o coração pedia. Até que, em pouco tempo, doou também o próprio coração. E logo recebeu a bênção de se relacionar com a moça.

Inácio merecia esse relacionamento. Havia sofrido muito com a perda recente de sua esposa, Lourdes. Os dois iam juntos à missa todos os domingos. Tornaram-se uma referência de casal religioso. Eram discretos. Não tiveram filhos. Ninguém conseguia saber muito da vida dos dois fora do templo. Mas formavam um casal simpático. Eram queridos por todos. Padre Romão adorava vê-los nas celebrações sentados no banco da frente. Pouco depois, Lourdes foi diagnosticada com leucemia, e veio a falecer rapidamente.

Não demorou muito para que a gravidez de Madalena viesse à tona. A fofoca dentro da igreja costuma se espalhar na mesma velocidade que a Palavra de Deus. Às vezes até mais rápida. O fato de todos ali dentro terem conhecido Lourdes, o fato de Madalena ser significativamente mais nova e o fato de ela e Inácio terem um relacionamento de pouco mais de um mês e desprovido de laço matrimonial tornava a gravidez da moça um assunto muito interessante nos cochichos que aconteciam entre um Pai Nosso e uma Ave Maria.

Mas as coisas não ficaram só nas fofocas sussurradas. Dona Gertrudes, uma senhora beata e sisuda de uns 80 e poucos anos, havia dito para Inácio que o filho que a jovem Madalena esperava era do padre Romão. Assim, sem mais nem menos. Inácio não se espantou tanto com o conteúdo da revelação, mas ficou pasmo pensando no que levava uma senhora católica a dizer esse tipo de coisa do padre de cujas mãos recebia a Eucaristia. Preferia não entender. Existe muita fé dentro de uma igreja, inclusive a má. Encarou a revelação com descrédito, assim como todos na igreja encaravam tudo o que aquela senhora dizia.

A tranquilidade de Inácio não vinha da confiança em Madalena, mas sim no padre. Não só na batina, mas principalmente na pessoa. Ele e Romão se conheciam desde garotos. Eram amigos de infância, muito antes de Romão cogitar seguir a vida religiosa. Em uma das muitas vezes que passaram o tempo brincando juntos, uma ficou marcada em suas memórias.

O caso é que a mãe de Inácio não deixava nunca o filho entrar no rio que havia perto da vila. Era um rio caudaloso e profundo, e a mulher tinha medo que seu filho pudesse se afogar. Inácio tinha um grande temor pela mãe, sempre muito rígida e punitiva, e portanto era um filho impecável na frente dela. Mas, numa de suas brincadeiras com Romão, decidiu que queria sentir como era nadar no rio. O problema é que ele não sabia nadar muito bem e, atrapalhado por um tronco seco de árvore que descia pela correnteza e que bateu nele, começou a se afogar. Seus gritos foram logo ouvidos por Romão, que rapidamente entrou no rio e conseguiu resgatar o amigo.

Apesar de ter sobrevivido, Inácio não escapou da surra da mãe ao aparecer molhado e machucado diante dela. Passou semanas de castigo preso em casa. Romão perguntava sobre o amigo e era sempre enxotado pela mãe do menino. Até que um dia ele reapareceu na rua. Romão foi abraçá-lo. Inácio retribuiu e reproduziu o que sua mãe havia repetido para ele durante todo o tempo em que ficara de castigo: “somos escravos das nossas escolhas…”.

Portanto, em nome de uma amizade sólida, Inácio não acreditou no que a velha Gertrudes disse. E assim os meses se passaram. Até que a criança nasceu, um menino. Resolveram chamá-lo de Miguel. Marcaram o batizado e o padre Romão fez questão de celebrar.

Inácio e Madalena seguravam, cada um, uma vela acesa. Entre os dois, padre Romão segurava o bebê, dizendo belas palavras e passagens bíblicas que soavam como brisa leve entre todos os presentes naquela manhã. O padre olhava fixamente para Miguel. Encostou-o em seu peito e, por um instante, esfregou delicadamente seu rosto no rosto da criança, fechou os olhos e sorriu, como que deleitando-se num momento único.

Inácio viu aquela cena e de repente percebeu uma ternura diferente por parte de Romão junto ao bebê. Um olhar de felicidade e de extremo amor, mas misturado com certa angústia a frustração. Olhou para Madalena e viu uma jovem trêmula segurando uma vela trêmula e olhando para o padre e a criança com os olhos trêmulos, como se fossem duas barragens prestes a se romperem e despejarem dois rios de lágrimas, num tipo de emoção que ela precisava conter.

Inácio abaixou a cabeça. Por um instante quis sair dali. Olhou ao redor. A igreja estava bonita e um raio de luz entrava por um vitral e se espalhava em cores do arco-íris no altar. Respirou fundo. Olhou para o padre, seu velho amigo, que agora lançava-lhe um olhar de amizade e culpa, quase que suplicante. Inácio lembrou-se de Lourdes, sua falecida esposa, e do tratamento para engravidar que ela vinha fazendo antes de descobrir a leucemia. E sentiu-se culpado, pois se não haviam tido filhos, era porque ele era estéril, e só soube disso pouco antes de sua esposa morrer. Nunca contou sobre isso para ninguém, exceto para Romão. Tinha vergonha. Sonhava profundamente em ser pai. Mas sempre soube que jamais poderia ser o pai do filho de Madalena, e nem de ninguém.

Romão colocou Miguel no colo de Inácio, repousou a mão no rosto do amigo e, olhando-o fixamente, disse baixinho: “somos escravos das nossas escolhas…”. Inácio aproximou-se, abraçou Romão e tentou enxugar discretamente uma lágrima que escorria no rosto do sacerdote. Romão pegou a água benta e então continuou: “Eu te batizo, Miguel, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo…”. E todos responderam “Amém!”, enquanto Inácio beijava o filho.

Postagens mais visitadas deste blog

Bluetooth

Hoje eu me lembrei daquelas noites no carro, quando eu ia te buscar e ficávamos durante algum tempo estacionados ouvindo nossas músicas. Elas se tornavam “nossas” músicas a partir do momento que tocavam ali, em meio ao nosso cenário de carinho e entrega. Celulares emparelhados, o meu ou o teu, deixávamos tocar o que viesse. E assim, sem querer, montávamos a playlist de uma história. Você deitava no meu ombro e me contava sobre o seu dia e também sobre o seu passado; coisas bobas quaisquer que a minha mente inquieta se esforçava para assimilar, palavra por palavra (eu, que não sou de perguntar muito, ficava todo curioso), tudo para que eu pudesse saber o máximo sobre você. Vez ou outra você se lembrava de alguma música e insistia para que a ouvíssemos juntos. Quando era o meu celular que estava conectado, você pedia gentilmente para mudar para o teu. Mas não ficávamos numa só das tuas canções. L

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência. Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose. Entretanto, eu me encontrava em minha casa naq

A travesti da padaria

Era madrugada de sábado para domingo, quase amanhecendo, e eu estava tomando café numa dessas imensas padarias paulistanas, após curtir a noite, numa época em que a pandemia ainda era algo impensável para nós. Qualquer carioca suburbano (feito eu) que nunca tenha passado tempo suficiente em São Paulo talvez não seja capaz de compreender que frequentar as padarias da maior cidade do Brasil vai muito além de simplesmente esperar numa fila para comprar pão, leite e manteiga. As padarias de São Paulo são palcos de confraternizações e do surgimento de grandes amizades e amores sob a garoa. Enquanto idosos comem brioches num canto, jovens eufóricos se reúnem noutro para aumentar os níveis de glicose após uma noite de bebedeira (ou para beberem ainda mais). Essas padarias possuem catracas nas entradas, mesas confortáveis, garçons, balcões de atendimento rápido, pratos exclusivos da casa (muitos deles até se tornam famosos na cidade toda) e estão quase sempre cheias

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito. Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas

Encontros

Não existe amor à primeira vista. O que existe é conexão no primeiro encontro: são olhares e sorrisos em sincronia, beijos avassaladores, encaixe perfeito de corpos e boas ideias que batem. Em outras palavras, um pequeno pedaço do paraíso que desce angelicalmente sobre você. Mas não se iluda, isso não é amor. É entretenimento a dois, distração e fantasia compartilhada. Não que essas coisas não sejam sinceras; elas também são. Um simples encontro também é cheio de verdades, mesmo que ele seja casual. Aliás, é difícil pensar em algo mais genuíno do que os nossos desejos; todos eles, dos mais nobres aos mais carnais. Além disso, acredito que poucas pessoas sejam tão teatrais ao ponto de conseguirem simular com desenvoltura um entrosamento que não existe com alguém.  Logo, aquilo que foi bom numa noite calorosa também é  legítimo, ainda que tudo tenha se dissolvido à luz do sol na manhã seguinte.  Como no célebre soneto de Vinicius de Moraes, no “que seja infinito enquanto dure", p