Pular para o conteúdo principal

Amaciante


Certa vez, há muitos anos, perguntei a minha mãe sobre o porquê de ela lavar as roupas com amaciante. E ela, com uma das sobrancelhas levantadas dando a entender que eu tinha feito uma pergunta idiota, me respondeu: "O nome do produto já diz... é para deixar as roupas macias, oras!".


Minha mãe me deixou frustrado com a resposta. Não é difícil entender para que serve um amaciante de roupas, mas o que eu queria mesmo era saber porque deixar as roupas macias parecia importante. "Ah, amaciante também deixa as roupas mais perfumadas...", ela completou. Mas não me convenceu. Segue a lógica. O sabão de fato lava a roupa. Perfeito. O alvejante pode ser necessário para tirar as manchas mais difíceis. Tudo bem. Mas e o amaciante? Deixar as roupas macias e com mais perfume do que o cheiro de limpo que o sabão sozinho proporciona me parecia desnecessário. De qualquer forma, fiquei com a minha resposta frustrante e deixei minha mãe em paz naquele dia. 

Esse era apenas um dos questionamentos que eu tinha. Por que arrumar a cama depois de levantar, já que à noite eu vou deitar e desarrumar tudo novamente? Não seria melhor deixar para arrumar a cama somente quando fosse necessário trocar os lençóis? Sem falar no hábito de cuidar de plantas que toda mãe ou pai parece ter. Ao menos se nós tivéssemos um jardim com flores diversificadas e coloridas lá em casa... Mas que nada! Era sempre uma tremenda d'uma samambaia! Por que se importar com uma samambaia, gente? E ainda tinha que tirar a água dos pratos dos vasos todo dia para não criar foco do mosquito da dengue. Flor bonita que era bom, quando tinha, morria rápido.

O fato é que eu não entendia uma porção de coisas com 15 anos de idade e que, somente hoje, aos 30, posso dizer que compreendo. A gente tem mania de grandeza, de achar que somente aquilo que dizem ser grandioso ou que pode nos levar à grandiosidade (e aos aplausos calorosos dos outros) merece nossa atenção.

Talvez o meu conceito de grandiosidade na época estivesse... eu não diria equivocado, mas um pouco cego. Minha mãe não precisava ter no quintal um jardim botânico com flores lindas e raras para ser feliz. Talvez ela só precisasse mesmo cuidar de uma simples samambaia. E de ver a samambaia crescer devido ao carinho diário oferecido. E de ficar grata por ouvir das visitas "nossa, essa samambaia está bonita!", mesmo que samambaia não seja a mais deslumbrante das plantas. Talvez seja o ato de cuidar, de se dedicar com amor a algo ou alguém, incluindo todos os pequenos detalhes, o nosso objetivo mais importante em vida, ainda que ninguém mais seja afetado ou dê muito valor a isso.

Deitar à noite em cima de uma cama arrumada pode não ser fundamental para o sucesso na carreira de ninguém, mas pensa só no alívio que é se jogar sobre um lençol esticado e descarregar toda a tensão de um dia cheio sobre um travesseiro que te aguardava ali já na posição certinha. É extremamente acolhedor. Uma cama desfeita encontrada por alguém que teve um dia estressante certamente não ajuda.


Quando eu vestia um uniforme de colégio lavado pela minha mãe, eu não vestia somente uma camisa e uma calça limpas. Eu vestia todo o amor dela na forma de um uniforme macio e perfumado que, mesmo sem eu perceber, acariciava o meu corpo e inebriava a minha alma, fazendo com que eu me sentisse alguém importante e que, nos dias mais difíceis, parecia me dizer "vai lá garoto, você consegue!".

Enfim. Hoje eu pus no meu guardarroupa uma pequena pilha de camisas que minha mãe fez questão que eu trouxesse lavadas e passadas do Rio. Ao guardá-las, não pude deixar de sentir o cheiro do amaciante perfumado. Tive duas constatações: a alegria por ter aprendido a dar valor a isso, e a tristeza em perceber que até hoje não consegui com que a roupa que eu lavo fique dessa forma. Coisa que, na minha idade, mamãe já tirava de letra.

Postagens mais visitadas deste blog

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência.
Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose.
Entretanto, eu me encontrava em minha casa naqu…

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito.

Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas não poderia…

Fantasia

Conheço a Marcela "de outros Carnavais", como dizem por aí. Mas foi no último baile à fantasia, em que eu estava acompanhado dos meus amigos atuais, que me lembrei novamente dela, depois de tanto tempo do nosso breve encontro na vida. Éramos dois estudantes em 2005, e nos conhecemos em um projeto de estudos para vestibulandos da área de exatas que se reuniam à tarde com o objetivo de resolver questões de provas de vestibulares anteriores. Os encontros estavam previstos para durarem apenas duas semanas.
Sentei-me ao lado dela no primeiro dia de grupo. Assim como eu, Marcela estava deslocada dos demais e parecia não conhecer ninguém. Não notou a minha aproximação, mesmo com o barulho vergonhoso que fiz quando apliquei uma força mal dimensionada em minha mochila, que colidiu brutalmente com as costas da cadeira onde eu escolhi sentar. Permaneceu atenta a uma folha de papel rabiscada com números e equações.

O monitor da turma apossou-se do quadro negro e começou a corrigir a qu…