Pular para o conteúdo principal

Jenifer


Carlão chegou com 10 minutos de antecedência ao vão do Museu de Arte de São Paulo, onde havia combinado de encontrar-se com Jenifer, a sua mais nova combinação no aplicativo de relacionamentos. O rapaz não acreditava que ela fosse menos linda do que as fotos faziam crer, mesmo que por diversas vezes a internet já tivesse lhe trazido péssimas surpresas.

Ansioso, não parava de olhar o relógio. Logo decidiu que deveria escolher uma pose para quando Jenifer chegasse e o visse pela primeira vez. Apostou nos braços cruzados e no pé direito no muro para dar o ar de virilidade ao realçar os músculos treinados e ao mesmo tempo aparentar certo grau de desprendimento. Mas desfez a pose ao ver uma chupeta cair da boca de uma criança pequena que passava afoita em sua frente. Após agachar-se para pegar o objeto e entregá-lo à mãe, avistou Jenifer parada olhando para ele, com um sorriso que jamais imaginou que pudesse existir.

"Eu nem me atrasei tanto assim, mas deu tempo de você arrumar outro encontro e, de quebra, um filho?", disse a simpática jovem. Carlão ficou desconcertado. Não que fosse inseguro, mas havia praticado até mesmo a sua pose para a primeira vista, e no fim das contas foi flagrado pegando uma chupeta no chão. "Pois é...", brincou Carlão.


Carlão constatou que Jenifer não era outra propaganda enganosa debaixo de fotos bem produzidas. Ela era exatamente o deslumbre de mulher que parecia ser. E ainda melhor, por ser agradável e inteligente. Voluptuosa, Jenifer era o tipo de mulher capaz de parar o trânsito na Avenida Paulista e fazer qualquer skatista transeunte tecer-lhe elogios. 

Jenifer por vezes era verborrágica, mas as palavras não irritavam Carlão. Pelo contrário. Não foi necessário mais do que uma hora daquele primeiro encontro para que Carlão ficasse hipnotizado por aquela mulher. Ao longo do encontro, Jenifer permitiu que o rapaz fizesse carícias discretas em suas mãos e cabelo, mas negou-lhe o beijo. "Como eu disse, não posso ficar muito tempo hoje, mas gostaria muito de te ver de novo", disse a jovem. Carlão respondeu da única maneira possível. "Com certeza!".

Já em sua casa, Carlão não parava de pensar naquela tarde. Ao mesmo tempo em que se sentia um pouco frustrado por não ter acontecido nada demais, estava satisfeito por ter conhecido uma mulher tão incrível. Experiente em encontros, ele sabia que veria Jenifer novamente; sabia que ela também estava interessada. Curioso, pesquisou as redes sociais da moça.

Deparou-se com diversas fotos da jovem, não menos fascinantes do que as do aplicativo. Sempre sorridente, Jenifer posava com amigos, festas, cachorros e cachoeiras. Encantado, rolou a tela para ver fotos mais antigas. E depois, as fotos ainda mais antigas. À medida que Jenifer tornava-se mais nova com o retroceder da linha do tempo de suas fotos publicadas, Carlão atentava-se no fato de que as feições da moça iam se modificando, seu cabelo encurtando, seu rosto aos poucos deixando de lado as curvas suaves e o queixo fino e apresentando arestas um pouco mais acentuadas.

Mas foi quando chegou ao final do álbum de fotos que Carlão se apavorou. Num susto, deixou o celular cair no chão no instante em que viu que Jenifer, mesmo vestindo roupas femininas e usando maquiagem, aparecia com o rosto acinzentado de barba feita em sua foto mais antiga, de alguns anos atrás. Poderia esperar qualquer coisa dela; doença terminal, problema com drogas, espionagem, o que fosse. Mas como poderia imaginar isso de uma mulher tão linda, feminina e de voz tão doce?

Jéferson nasceu na capital paulistana em uma noite fria de agosto de 1993. Como qualquer bebê, chorava todas as noites em seu berço e os pais revezavam-se no sono para niná-lo. Amanhecia em seu quarto azul, e ficava entretido com um dinossauro de plástico pendurado sobre si e que se movimentava devido à brisa da manhã. A mãe vestia-o com roupinhas quentes, enquanto o pai preparava a mamadeira.

Aos 4 anos de idade, Jéferson costumava ouvir elogios de outros adultos quanto à sua boa educação, julgada incompatível para uma criança tão pequena. Os pais sorriam orgulhosos. Aos 8, porém, o menino começou a preocupar os pais, sobressaindo-se de outra forma. E logo os elogios declarados de outros adultos davam lugar pouco a pouco aos cochichos de pé de ouvido.

Com 12 anos de idade, Jéferson fez amizade no colégio com Téo. Jéferson não era muito de ter amigos. Não que ele dispensasse amizades, mas percebia que os demais colegas de classe se afastavam quando ele tentava se aproximar. Mas Téo parecia não se importar se Jéferson era diferente. Téo sentava-se na carteira ao lado de Jéferson, Téo fazia dupla com ele nos trabalhos e até merendavam juntos. Téo só não jogava futebol com ele nas aulas de educação física porque Jéferson era péssimo jogando bola. Preferia então escolher sempre o Felipe e o Pedro para o seu time, que eram bem melhores.

Téo só começou a se importar com sua proximidade com Jéferson quando viu que estava sendo prejudicado pelos outros meninos. Percebeu que ser amigo de Jéferson tirava dele a amizade e o respeito dos demais. "Nada a ver você ser amigo dele. Você é igual a ele? Hein?". Assim, os ataques foram ficando mais intensos, até que num episódio de ofensas verbais, onde todos os envolvidos foram parar na diretoria, Téo saiu em defesa de Jéferson, mas depois passou a sentar-se do outro lado da sala. E aos poucos eles foram deixando de estar juntos, e depois nem mais se falavam, até que o ano letivo terminou e Jéferson, apaixonado, confuso e entristecido, pediu aos pais para que fosse mudado de colégio.

Mesmo sendo diferente e desde tão jovem sendo atacado por isso, Jéferson não foi carente do amor dos pais. A mãe guardava o choro para quando deitasse na cama, à noite. O pai fingia que não via. Não tocavam no assunto, mas sacrificavam-se ao máximo para transformar toda a preocupação e agonia no maior amor e compreensão possíveis, mesmo que parecesse impossível em alguns momentos.

Tudo teria sido mais fácil se os pais de Jéferson não tivessem falecido em um desastre aéreo quando o rapaz contava com 15 anos de idade. Não bastasse o desespero da inadequação ao corpo cada vez mais frequente, Jéferson teve que lidar também com o desespero de uma tragédia tão dilacerante. Profundamente deprimido, ele passou a ser cuidado pela madrinha.

Muito afetuosa, a madrinha ofereceu tudo o que Jéferson precisava. Deu-lhe todo o suporte necessário, tranquilidade, acompanhamento psicológico profissional e a sua paciência. Cristã, deu-lhe orações também. E Jéferson orou. Orou pelos pais, orou por si. Entretanto, conforme percebia a recuperação do jovem, a madrinha passou a cobrar-lhe também uma postura melhor, uma postura de homem. Jéferson gostava de orar, mas questionava sobre o porquê de ter que fazer isso vestindo jeans largos.

Ao atingir a maioridade, após muitos desentendimentos, pediu que a madrinha lhe desse todo o dinheiro que pertencia a ele, dinheiro esse oriundo da indenização da empresa aérea. Inicialmente relutante, a madrinha tentou argumentar e mantê-lo sob seus cuidados para que pudesse salvá-lo aos olhos de Cristo. Mas vendo que não tinha mais nada que pudesse fazer, acatou o pedido. "Cuide-se!".

Jéferson alugou um apartamento com o dinheiro que era seu por direito. Aplicou uma parte da quantia e passou a trabalhar para manter-se. Voltou a estudar. Conquistou amigos esclarecidos e também alguns desafetos. Sofreu assédio por parte de colegas da faculdade e de alguns professores. Constantemente abalado, olhava-se no espelho todos os dias, o que só lhe dava a certeza de quem, do que era. Aceitou-se definitivamente como mulher. Cansada dos assédios e decidida a completar a transformação, iniciou o tratamento hormonal e tempos depois decolou de São Paulo para a Tailândia. De uma vez por todas, Jéferson havia morrido em cima da mesa de cirurgia em Bangkok. Nascia Jenifer.

Carlão pegou o celular do chão e, trêmulo de ódio, olhou para a tela trincada que revelou quem Jenifer de fato era! Recebeu uma mensagem dela segundos depois, mas não respondeu. Precisava fazer alguma coisa. Sentia-se enganado, tolo, estúpido! Queria humilhá-la pessoalmente. Queria espancá-la! Marcaria novamente com ela, como se nada tivesse acontecido. E agiria assim, até que tivesse a oportunidade de atacá-la. Respondeu a mensagem e combinaram no mesmo local no dia seguinte.

Dessa vez, Jenifer havia sido a primeira a chegar ao vão do Museu de Arte de São Paulo. Carlão, ao avistá-la de longe à sua espera, parou por alguns instantes, repassou na cabeça tudo o que deveria fazer passo a passo para não correr o risco de prejudicar-se judicialmente. Tão logo se aproximou, percebeu que Jenifer estava aflita. "Tenho algo pra te contar", disse a jovem. Carlão aguardou. "Sou uma mulher transsexual".

Carlão ficou inerte, não esperava pela confissão. "Por isso recusei o beijo, não era justo", completou ela. Carlão não conseguia dizer nada. "Desculpe, não quis te enganar, mas...", continuou. "Mas o quê?", disse Carlão pela primeira vez. "Quando eu vi no aplicativo que você era o Téo e que você também tinha me curtido, eu fiquei tão...". Carlão no mesmo instante levou as mãos até a cabeça! Com os olhos arregalados, ele não podia acreditar no que tinha acabado de ouvir! Como era possível? Ela o conhecia?

Há muitos anos Carlão não era mais chamado de Téo. Para ser mais exato, desde a escola, quando uma professora carinhosamente apelidou de Téo o menino que atendia por Carlos Teotônio, como uma forma de diferenciá-lo de outros tantos alunos chamados Carlos e ao mesmo tempo de suavizar um nome composto tão pesado, que fora herdado do bisavô. A redução do nome pegou no colégio inteiro, mas não sobreviveu após o menino ter completado o ensino fundamental. Téo voltou a ser somente Carlos, e após alguns anos de ganho de massa muscular, os amigos recentes passaram a chamá-lo de Carlão.

Jenifer revelou quem era. Resumiu toda a sua história para o indignado, porém mais calmo, ex-colega de turma. Jenifer e Carlão não eram pessoas ruins; eram apenas pessoas. "Sinto muito, mas eu não posso...", disse ele. Jenifer respirou profundamente e limitou-se na resposta. "Tudo bem". Despediu-se de Carlão e seguiu, caminhando pela calçada.

Carlão ficou parado enquanto pensava sobre tudo aquilo. Em seguida pegou o celular, desbloqueou a tela trincada, abriu o aplicativo de relacionamento e sobrevoou com o dedo o botão de desfazer a combinação com Jenifer. Pensou por alguns segundos, mas não clicou. Guardou o celular e olhou para a moça que, já distante, com uma silhueta escura e cada vez menor, parecia pôr-se junto com o sol ao longo da Avenida Paulista.

Ilustração de Diego (IG @desenhos.diego)

[Olá! Meu nome é Renan e o meu hobby é escrever. Se você gostou desse texto, por favor, curta/comente/compartilhe. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊]

Postagens mais visitadas deste blog

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência.
Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose.
Entretanto, eu me encontrava em minha casa naqu…

O menino que não tinha TV em casa

Samuel não é meu amigo de longa data, mas eu gostaria que fosse. Nós nos conhecemos no feriado prolongado de novembro de 2018, no Rio de Janeiro. De início, talvez ele tenha se esforçado mais do que eu para que nossa amizade sobrevivesse ao calor carioca (não consigo fazer nada direito no calor, inclusive amizades); e eu lhe agradeço por isso. Se não fosse por ele, eu jamais teria vivido os bons momentos que sua presença me proporcionou até aqui, tais quais o nosso passeio em Bonito (MS) e as incontáveis sociais em nossas casas.
Engana-se quem o vê pela primeira vez e pensa que ele é quieto. De uma hora para outra, quando eu menos espero, ele desanda a falar; geralmente, algo interessante. Mas, distraído que sou, por vezes eu me perco em suas palavras. Daí que sou devidamente repreendido. "Repita o que eu estava te dizendo agora...". Entro em desespero, e tento repetir a história com as palavras soltas que ouvi. "Não é nada disso", finaliza ele, decepcionado. Porém,…

As estrelas não se importam

Mais uma vez eu estava sentado na cadeira do escritório, cabelo penteado, todo adultinho, na segunda metade dos anos 1990. Durante as férias escolares, meu pai adorava me levar para o trabalho com ele, na Cinelândia; e eu adorava ir. Ele sempre me colocava numa mesa em L só para mim, com computador, canetas, papéis para rascunho, grampeadores, tudo, que provavelmente pertenciam a algum funcionário recém-demitido. A Mesbla havia decretado falência e, cada vez que eu voltava lá com o meu pai, havia menos gente e mais computadores órfãos espalhados pelo departamento administrativo. Eu até podia escolher onde queria ficar.
Eu ainda não tinha computador em casa naquela época e, portanto, ter um só para mim durante todo o expediente do meu pai era maravilhoso. Assim que chegávamos, meu pai me apresentava à sociedade daquela firma: uns caras maneirinhos que faziam cafuné em mim no estilo "E aí garotão, beleza, você é o famoso Renan então? Teu pai fala muito de você, bom aluno mas não jog…

O canto do galo

Levantar cedo nunca foi uma de minhas virtudes, embora seja uma obrigação que cumpro. Tenho apego ao travesseiro assim como um bebê perante a sua chupeta. Quase choro todas as manhãs por deixá-lo sozinho, longe do meu calor, esfriando ao longo do dia. O que me salva são os afazeres diários, impostos por uma sociedade que preza pelos primeiros raios de sol. Não me entendam mal: eu adoro as manhãs, e contemplá-las me deixa inspirado. Mas eu realmente sinto uma dificuldade crônica em aproveitá-las nos dias em que eu posso dormir até mais tarde. Em outras palavras, uma preguiça colossal.
Não importa o quão cedo eu durma no dia anterior; levantar da cama na manhã seguinte é sempre tarefa difícil para mim. Todas as noites eu ativo o alarme do celular para me despertar quarenta e cinco minutos antes do horário real. E são esses quarenta e cinco minutos que me fazem ir aceitando, aos poucos, o fato de que preciso sair da cama e encarar a vida. Mesmo assim, espero ansioso pelo dia em que um cie…

Penitência

Eu nasci em uma família cristã católica e, portanto, tive acesso a todas as tradições, costumes e eventos inerentes a uma vida devota. Participei de batizados, casamentos, novenas, festa de pentecostes, via sacra. Já fui responsável pelo som da igreja e já carreguei as imagens de Cristo e de Nossa Senhora em meus ombros nas procissões. Fiz coro aos mais belos cantos, junto de pessoas humildes que apenas agradeciam as bênçãos da vida ou que ainda buscavam a cura, o perdão e o consolo.

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito.

Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas não poderia…

Fantasia

Conheço a Marcela "de outros Carnavais", como dizem por aí. Mas foi no último baile à fantasia, em que eu estava acompanhado dos meus amigos atuais, que me lembrei novamente dela, depois de tanto tempo do nosso breve encontro na vida. Éramos dois estudantes em 2005, e nos conhecemos em um projeto de estudos para vestibulandos da área de exatas que se reuniam à tarde com o objetivo de resolver questões de provas de vestibulares anteriores. Os encontros estavam previstos para durarem apenas duas semanas.
Sentei-me ao lado dela no primeiro dia de grupo. Assim como eu, Marcela estava deslocada dos demais e parecia não conhecer ninguém. Não notou a minha aproximação, mesmo com o barulho vergonhoso que fiz quando apliquei uma força mal dimensionada em minha mochila, que colidiu brutalmente com as costas da cadeira onde eu escolhi sentar. Permaneceu atenta a uma folha de papel rabiscada com números e equações.

O monitor da turma apossou-se do quadro negro e começou a corrigir a qu…

Capuccino

Gosto de muitas coisas em São Paulo. Entre elas, as belas tardes frias de sol que a cidade proporciona aos seus habitantes em muitos dias ao longo do ano. Aquele sol que, a despeito do céu azulado, não aquece o suficiente. O resultado de um dia de fim de semana assim é ver pessoas aos montes passeando nos parques em trajes elegantes, mesmo que, eventualmente, elas acabem rolando na grama com seus cachorros, crianças e outros amores, envolvidas por uma atmosfera alegre e laranja.

Ménage à Trois

A esposa, o marido e a prima da esposa entraram na cobertura do casal, localizado na Rua Frei Caneca, coração da capital paulista. Após oito anos de casamento, o marido foi surpreendido por sua mulher quando ela, numa manhã cinzenta de terça-feira, confidenciou-lhe entre lençóis que gostaria de realizar o fetiche.