Pular para o conteúdo principal

Ménage à Trois

Estátuas de um homem e uma mulher sentados num banco se beijando, enquanto outra estátua de mulher permanece ao lado descontente

A esposa, o marido e a prima da esposa entraram na cobertura do casal, localizada na Rua Frei Caneca, coração da capital paulista. Após oito anos de casamento, o marido fora surpreendido por sua mulher quando ela, numa manhã cinzenta de terça-feira, confidenciou-lhe entre lençóis que gostaria de realizar o fetiche.

A prima havia sido escolhida pela esposa para compor o trio por ser “bela, confiável e disponível”, segundo a própria. E, além de parente, a prima era uma das grandes amigas da esposa. Os atributos físicos da moça de vinte e tantos anos de idade não foram nem um pouco minados pelo fato de já ser mãe. Pelo contrário, a maternidade aparentemente havia realçado suas curvas, enquanto a sua condição de solteira e vaidosa a mantinha determinada no cuidado com a aparência. 

A esposa ligou uma pequena caixa de som e colocou o seu iPhone para tocar uma playlist sexualmente convidativa, em baixo volume. Serviu o marido com uma taça de vinho e ofereceu outro à prima. Conversaram no sofá à vontade e, entre risadas, relembraram fatos divertidos do passado. Até que, no ímpeto, a esposa se levantou e revelou a atração que sentia por sua prima desde que a jovem havia se tornado mulher. O marido, transbordando de perplexidade, levou as mãos à face, já em deleite pelo o que estava por vir. 

A esposa então sorriu entre lábios mordidos, puxou cada um por uma mão e conduziu-os até a suíte. Os três ajoelharam sobre a cama. A esposa se posicionou entre eles. Tocou suavemente na nuca do marido com uma mão e na nuca da prima com a outra. Afastou o seu rosto do caminho e lentamente aproximou o rosto dos dois, promovendo um beijo bastardo. Observava atentamente os lábios do seu marido tocar os de sua prima. Sua expectativa é a de que ficassem constrangidos. Mas empalideceu ao notar a sintonia entre aqueles dois. 

O marido não apenas beijava a prima. Ele parecia necessitar de cada pedaço daquela mulher. Os dois trocavam olhares de cumplicidade misturada com uma ternura incompatível com uma proposta tão casual. Naquele instante, a esposa percebeu que a boca de seu marido nunca fora integralmente comprometida com a sua. Afastou-se então sorrateiramente, mas continuava olhando para os dois, na esperança de ser percebida. Em vão. Saiu sem avisar. 

Entrou no banheiro da suíte, trancou-se, e baixou a cabeça com as mãos apoiadas na porta. Abalada, deslizou as mãos porta abaixo até que a mão direita novamente atingisse a chave. Retirou-a, e olhou pelo buraco da fechadura. Pôde observar o marido e a prima. Entre beijos e mordidas, ele sorria para a prima de um jeito que ela nunca havia visto. Eles não pareciam ser apenas um casal proibido. Eram mais do que isso. Eram um dueto, tão bem composto e bem afinado de forma que a carreira de sucesso daqueles dois juntos parecia vir de longa data, e que um sem o outro já não deveria fazer o menor sentido. 

Em dado momento, a esposa viu a prima levar o dedo indicador à boca, num gesto para que o seu marido se calasse. O que era segredo? Sua cabeça começava a doer. Achou até ali que pudesse estar errada. Que pudesse ser apenas uma curiosa coincidência que o filho de sua prima fosse extremamente parecido com o seu marido, tanto fisicamente quanto em seus trejeitos. Achava que, ao propor ao seu marido o ménage à trois com a prima, ela pudesse constatar ali, de perto, na intimidade à três, que nunca houve nada entre os dois. Mas era fato que, a cada ano que passava, mais aquele moleque, contando ali com cinco anos de idade completos, tornava-se cópia irrefutável daquele que definitivamente era o seu pai. 

A mulher se levantou, virou-se para a pia e se olhou no espelho impecavelmente limpo. Viu nitidamente a imagem de uma mulher enganada. Levou as mãos até a barriga e acariciou o seu ventre oco, incapaz de ter gerado uma criança durante aqueles anos de matrimônio. Devastada, recebeu então o ultimato de sua dor. Atingiu o espelho com um golpe tão forte que mesmo suas mãos suaves puderam quebrá-lo. Pegou o maior e mais pontiagudo pedaço de vidro e o apertou, até que o sangue misturado com toda a frustração de uma esposa dedicada pudesse escorrer de sua mão. 

A essa altura, motivado pelo barulho, o seu marido já gritava por ela do outro lado, tentando a todo custo abrir a porta. A esposa calmamente destrancou-a e se deparou com o cônjuge estático e assustado. Antes que ele pudesse esboçar alguma reação, levou certeiramente o estilhaço ensanguentado ao pescoço do marido, perfurando e rasgando sua jugular, e mantendo o vidro em sua mão. 

A prima gritou abraçada às pernas no canto da cama. Completamente fora de si, a esposa correu até ela, enquanto o seu marido sangrava no chão até a morte. Pegou a prima pelos cabelos e, parecendo estar dotada de uma força quase sobrenatural, deitou-a de costas sobre os lençóis ainda quentes das preliminares. Por fim, acertou-lhe a barriga diversas vezes com o vidro, certificando-se de que nada sobraria daquele ventre fértil e maldito. 

O interfone tocou. Com os gritos, era provável que os vizinhos tivessem acionado a portaria. Assim, a esposa largou o estilhaço, foi até a sacada do quarto, e olhou desconsolada para o horizonte. Entortou a cabeça para o lado, mantendo o olhar fixo, como se estivesse em profundo estado de contemplação. A brisa da noite soprava em seu rosto e levava consigo as últimas lágrimas. Era o fim. Respirou profundamente, relaxou os ombros e se deixou cair, lançando-se enfim ao voo da morte. 

Na calçada da Frei Caneca, enquanto a polícia ainda não chegava, uma travesti corpulenta enxotava um jovem que havia subido na grade do condomínio para tirar uma selfie com o corpo estirado do outro lado. Depois, em vão, ela tentava impedir que outros curiosos se aglomerassem na grade com seus smartphones. O sangue fervido de surto que jorrava da cabeça da esposa descia contornando o seu corpo, e misturava-se ao sangue inocente do aborto. No IML ficou constatado que ela finalmente estava grávida de três semanas.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções lá embaixo. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊
- instagram: @renan.mar
- facebook: nuances.r

Postagens mais visitadas deste blog

Terra plana

A Terra é plana. Sim, eu descobri que é. É plana porque eu tropecei na esquina do mundo e caí para fora dele. Antes disso, eu corria de braços abertos a favor do vento, gargalhava os privilégios de todas as aventuras que podia, cantava de olhos fechados ao som dos violões mais afinados... até que de repente eu caí. Caí do nada, e no nada. E cá estou, flutuando logo abaixo da grande crosta. Daqui, posso ver as raízes de todas as florestas, as relíquias enterradas de todas as culturas, as veias de todos os rios saltadas para mim. Consigo ver fósseis de seres que já não existem, tumbas de deuses e reis que um dia mandaram e desmandaram lá em cima, além de todo o lixo que pinga chorume em meu rosto e escorre boca adentro. Não consigo respirar, engasgo, sinto um nojo colossal do líquido fedido que sai das coisas que antes me faziam sorrir. Olho para os lados e vejo vários pontinhos longe de mim e afastados uns dos outros; é gente que também caiu do mundo

As estrelas não se importam

Mais uma vez eu estava sentado na cadeira do escritório, cabelo penteado, todo adultinho, na segunda metade dos anos 1990. Durante as férias escolares, meu pai adorava me levar para o trabalho com ele, na Cinelândia; e eu adorava ir. Ele sempre me colocava numa mesa em L só para mim, com computador, canetas, papéis para rascunho, grampeadores, tudo, que provavelmente pertenciam a algum funcionário recém-demitido. A Mesbla havia decretado falência e, cada vez que eu voltava lá com o meu pai, havia menos gente e mais computadores órfãos espalhados pelo departamento administrativo. Eu até podia escolher onde queria ficar. Eu ainda não tinha computador em casa naquela época e, portanto, ter um só para mim durante todo o expediente do meu pai era maravilhoso. Assim que chegávamos, meu pai me apresentava à sociedade daquela firma: uns caras maneirinhos que faziam cafuné em mim no estilo  "E aí garotão, beleza, você é o famoso Renan então? Teu pai fala muito de você, bom aluno mas não jo

O menino que não tinha TV em casa

Samuel não é meu amigo de longa data, mas eu gostaria que fosse. Nós nos conhecemos no feriado prolongado de novembro de 2018, no Rio de Janeiro. De início, talvez ele tenha se esforçado mais do que eu para que nossa amizade sobrevivesse ao calor carioca (não consigo fazer nada direito no calor, inclusive amizades); e eu lhe agradeço por isso. Se não fosse por ele, eu jamais teria vivido os bons momentos que sua presença me proporcionou até aqui, tais quais o nosso passeio em Bonito (MS) e as incontáveis sociais em nossas casas. Engana-se quem o vê pela primeira vez e pensa que ele é quieto. De uma hora para outra, quando eu menos espero, ele desanda a falar; geralmente, algo interessante. Mas, distraído que sou, por vezes eu me perco em suas palavras. Daí que sou devidamente repreendido. "Repita o que eu estava te dizendo agora...". Entro em desespero, e tento repetir a história com as palavras soltas que ouvi. "Não é nada disso", finaliza ele, decepcionado. Porém,

O canto do galo

Levantar cedo nunca foi uma de minhas virtudes, embora seja uma obrigação que cumpro. Tenho apego ao travesseiro assim como um bebê perante a sua chupeta. Quase choro todas as manhãs por deixá-lo sozinho, longe do meu calor, esfriando ao longo do dia. O que me salva são os afazeres diários, impostos por uma sociedade que preza pelos primeiros raios de sol. Não me entendam mal: eu adoro as manhãs, e contemplá-las me deixa inspirado. Mas eu realmente sinto uma dificuldade crônica em aproveitá-las nos dias em que eu posso dormir até mais tarde. Em outras palavras, uma preguiça colossal. Não importa o quão cedo eu durma no dia anterior; levantar da cama na manhã seguinte é sempre tarefa difícil para mim. Todas as noites eu ativo o alarme do celular para me despertar quarenta e cinco minutos antes do horário real. E são esses quarenta e cinco minutos que me fazem ir aceitando, aos poucos, o fato de que preciso sair da cama e encarar a vida. Mesmo assim, e

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito. Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas