Pular para o conteúdo principal

Ménage à Trois

Estátuas de um homem e uma mulher sentados num banco se beijando, enquanto outra estátua de mulher permanece ao lado descontente

A esposa, o marido e a prima da esposa entraram na cobertura do casal, localizada na Rua Frei Caneca, coração da capital paulista. Após oito anos de casamento, o marido fora surpreendido por sua mulher quando ela, numa manhã cinzenta de terça-feira, confidenciou-lhe entre lençóis que gostaria de realizar o fetiche.

A prima havia sido escolhida pela esposa para compor o trio por ser “bela, confiável e disponível”, segundo a própria. E, além de parente, a prima era uma das grandes amigas da esposa. Os atributos físicos da moça de vinte e tantos anos de idade não foram nem um pouco minados pelo fato de já ser mãe. Pelo contrário, a maternidade aparentemente havia realçado suas curvas, enquanto a sua condição de solteira e vaidosa a mantinha determinada no cuidado com a aparência. 

A esposa ligou uma pequena caixa de som e colocou o seu iPhone para tocar uma playlist sexualmente convidativa, em baixo volume. Serviu o marido com uma taça de vinho e ofereceu outro à prima. Conversaram no sofá à vontade e, entre risadas, relembraram fatos divertidos do passado. Até que, no ímpeto, a esposa se levantou e revelou a atração que sentia por sua prima desde que a jovem havia se tornado mulher. O marido, transbordando de perplexidade, levou as mãos à face, já em deleite pelo o que estava por vir. 

A esposa então sorriu entre lábios mordidos, puxou cada um por uma mão e conduziu-os até a suíte. Os três ajoelharam sobre a cama. A esposa se posicionou entre eles. Tocou suavemente na nuca do marido com uma mão e na nuca da prima com a outra. Afastou o seu rosto do caminho e lentamente aproximou o rosto dos dois, promovendo um beijo bastardo. Observava atentamente os lábios do seu marido tocar os de sua prima. Sua expectativa é a de que ficassem constrangidos. Mas empalideceu ao notar a sintonia entre aqueles dois. 

O marido não apenas beijava a prima. Ele parecia necessitar de cada pedaço daquela mulher. Os dois trocavam olhares de cumplicidade misturada com uma ternura incompatível com uma proposta tão casual. Naquele instante, a esposa percebeu que a boca de seu marido nunca fora integralmente comprometida com a sua. Afastou-se então sorrateiramente, mas continuava olhando para os dois, na esperança de ser percebida. Em vão. Saiu sem avisar. 

Entrou no banheiro da suíte, trancou-se, e baixou a cabeça com as mãos apoiadas na porta. Abalada, deslizou as mãos porta abaixo até que a mão direita novamente atingisse a chave. Retirou-a, e olhou pelo buraco da fechadura. Pôde observar o marido e a prima. Entre beijos e mordidas, ele sorria para a prima de um jeito que ela nunca havia visto. Eles não pareciam ser apenas um casal proibido. Eram mais do que isso. Eram um dueto, tão bem composto e bem afinado de forma que a carreira de sucesso daqueles dois juntos parecia vir de longa data, e que um sem o outro já não deveria fazer o menor sentido. 

Em dado momento, a esposa viu a prima levar o dedo indicador à boca, num gesto para que o seu marido se calasse. O que era segredo? Sua cabeça começava a doer. Achou até ali que pudesse estar errada. Que pudesse ser apenas uma curiosa coincidência que o filho de sua prima fosse extremamente parecido com o seu marido, tanto fisicamente quanto em seus trejeitos. Achava que, ao propor ao seu marido o ménage à trois com a prima, ela pudesse constatar ali, de perto, na intimidade à três, que nunca houve nada entre os dois. Mas era fato que, a cada ano que passava, mais aquele moleque, contando ali com cinco anos de idade completos, tornava-se cópia irrefutável daquele que definitivamente era o seu pai. 

A mulher se levantou, virou-se para a pia e se olhou no espelho impecavelmente limpo. Viu nitidamente a imagem de uma mulher enganada. Levou as mãos até a barriga e acariciou o seu ventre oco, incapaz de ter gerado uma criança durante aqueles anos de matrimônio. Devastada, recebeu então o ultimato de sua dor. Atingiu o espelho com um golpe tão forte que mesmo suas mãos suaves puderam quebrá-lo. Pegou o maior e mais pontiagudo pedaço de vidro e o apertou, até que o sangue misturado com toda a frustração de uma esposa dedicada pudesse escorrer de sua mão. 

A essa altura, motivado pelo barulho, o seu marido já gritava por ela do outro lado, tentando a todo custo abrir a porta. A esposa calmamente destrancou-a e se deparou com o cônjuge estático e assustado. Antes que ele pudesse esboçar alguma reação, levou certeiramente o estilhaço ensanguentado ao pescoço do marido, perfurando e rasgando sua jugular, e mantendo o vidro em sua mão. 

A prima gritou abraçada às pernas no canto da cama. Completamente fora de si, a esposa correu até ela, enquanto o seu marido sangrava no chão até a morte. Pegou a prima pelos cabelos e, parecendo estar dotada de uma força quase sobrenatural, deitou-a de costas sobre os lençóis ainda quentes das preliminares. Por fim, acertou-lhe a barriga diversas vezes com o vidro, certificando-se de que nada sobraria daquele ventre fértil e maldito. 

O interfone tocou. Com os gritos, era provável que os vizinhos tivessem acionado a portaria. Assim, a esposa largou o estilhaço, foi até a sacada do quarto, e olhou desconsolada para o horizonte. Entortou a cabeça para o lado, mantendo o olhar fixo, como se estivesse em profundo estado de contemplação. A brisa da noite soprava em seu rosto e levava consigo as últimas lágrimas. Era o fim. Respirou profundamente, relaxou os ombros e se deixou cair, lançando-se enfim ao voo da morte. 

Na calçada da Frei Caneca, enquanto a polícia ainda não chegava, uma travesti corpulenta enxotava um jovem que havia subido na grade do condomínio para tirar uma selfie com o corpo estirado do outro lado. Depois, em vão, ela tentava impedir que outros curiosos se aglomerassem na grade com seus smartphones. O sangue fervido de surto que jorrava da cabeça da esposa descia contornando o seu corpo, e misturava-se ao sangue inocente do aborto. No IML ficou constatado que ela finalmente estava grávida de três semanas.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções lá embaixo. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊
- instagram: @renan.mar
- facebook: nuances.r

Postagens mais visitadas deste blog

Quando minha mãe vem me visitar

Quando minha mãe vem me visitar, a primeira coisa que ela faz é reclamar; a segunda é me dar amor. Anda pelos cômodos, abre gavetas, geladeira, diz que falta isso e aquilo e que eu deveria fazer tal e tal coisa. Depois ela faz café e me oferece docinho na medida dentro de uma xícara que eu nem lembrava que tinha, retirada do fundo inexplorado do meu armário de solteiro. Estava com saudade!, diz. E então logo eu começo a ouvir barulhos e a sentir cheiros sem que eu precise fazer nada. A gente que mora sozinho fica sensível a qualquer estímulo em casa que não tenha sido provocado por nós. Levo susto na sala com o chiado repentino vindo da cozinha: cebola e alho postos para refogar. Não tem jeito, costumo ter pouco sucesso em chamá-la para comer fora. No fim da tarde, é o esmalte e a acetona que se espalham no ar enquanto ela faz as unhas em frente às novelas mexicanas. Sei de longe que é novela mexicana por causa da trilha s

Desmonte

Numa manhã de dia útil no escritório, já no final de novembro, uma moça que trabalha no mesmo prédio que eu comentou que ainda não havia enfeites de Natal por ali. Questionava a ausência das cores e luzes de fim de ano para alegrar os tons frios das mesas, cadeiras e gaveteiros. O alerta não passou despercebido. Imediatamente, parei de olhar para a tela do computador e me peguei por alguns segundos com o cotovelo apoiado na mesa, a mão segurando o queixo e o olhar distante. Depois olhei ao redor. De fato, ainda não havia por ali árvore de Natal, guirlanda, ou boneco de Papai Noel.  No dia seguinte, cheguei ao trabalho com alguns enfeites para adornar a palmeirinha que possuo em minha mesa. "Gostei do seu mato de Natal", comentou um dos colegas, em tom de deboche. De fato, a palmeirinha mais parece mato que cresce do nada em qualquer terra de beira de estrada. Mas era o único ser vivo por ali que poderia servir de árvore de Natal. Eu até pod

Pole dance

Chego em casa após um dia exaustivo e ainda tenho que comer essa coisa requentada em vez de comida fresca!, foi o que Cida ouviu do marido naquela noite. Furiosa, resolveu na mesma hora meter as roupas na mala e deixar Chico, sem maiores cerimônias. Pois coma com o diabo!, saiu batendo a porta. Cida foi abrigada por Kátia, sua amiga desde os tempos de colégio e agora dona de um bordel de luxo no centro da cidade. A cafetina instalou a dona de casa no melhor quarto e pediu às prostitutas que não a incomodassem. No entanto, a amizade com as meninas foi inevitável após Cida ter flagrado uma delas ensaiando num pole dance. Encantou-se imediatamente pela arte e resolveu, assim, treinar com as garotas, dia após dia. Ao passo que perdia a timidez, ganhava novo entendimento sobre o seu próprio corpo a cada encontro com a barra brilhante. Num momento de capricho e autoconfiança, Cida pediu a Kátia para se apresentar na noite de luxúria. Era pouco mais de

Beijo no semáforo

Já passava da meia-noite quando eu estava em meu carro voltando para casa após um encontro com amigos. Próximo ao cruzamento com uma avenida, o carro na minha frente foi reduzindo a velocidade assim que o semáforo ficou amarelo. Acredito que ninguém se sinta confortável em parar tarde da noite nos semáforos de cidades grandes, mas aquele era um cruzamento com uma avenida importante, onde o fluxo de carros se mantinha razoável mesmo durante a madrugada. Não tinha como avançar. Através do vidro traseiro do carro da frente, eu pude notar que dentro dele havia um casal, e que o homem era o motorista. Aquele semáforo já era um velho conhecido meu; eu sabia que ele demoraria no vermelho. E parecia que o casal também sabia disso, pois assim que pararam o carro, observei que o homem puxou o freio de mão. Em seguida, ambos se olharam. A penumbra causada pela luz dos postes era suficiente para que eu conseguisse enxergar o contorno iluminado daqueles dois rost

Garotinha do papai

    - Alô! - Alô, pai? - Oi, minha princesa! Diga. - Chegou bem no trabalho? - Sim, já estou no escritório. - Que horas você volta hoje? - Por volta das sete, por quê? - Preciso de um favor seu… - Fale, meu amor. - Poderia passar na farmácia e comprar um pacote de camisinhas pra mim? - Oi? - Passar na farmácia e comprar camisinhas pra mim… - Como assim, Luana? - É que hoje eu vou transar com o meu namorado pela primeira vez. Ele é meio distraído, não sei se vai se lembrar de levar... - Luana, você está doida? Como é que você me pede uma coisa dessas? - Ué, algum problema? - Luana, você tem apenas dezesseis anos! - Eu sei. E todas as minhas amigas já transaram, só eu é que… - Luana, isso não é justificativa! Eu não estou acreditando que você está me pedindo isso! - Pai, você não vive me dizendo que eu posso contar com o senhor pra qualquer coisa? - Mas não pra isso! Onde já se viu? - Mas eu pensei que… - Pensou errado! Cale essa sua boca! Não quero mais saber disso! Aliás, desde quando