Pular para o conteúdo principal

Ménage à Trois


A esposa, o marido e a prima da esposa entraram na cobertura do casal, localizado na Rua Frei Caneca, coração da capital paulista. Após oito anos de casamento, o marido foi surpreendido por sua mulher quando ela, numa manhã cinzenta de terça-feira, confidenciou-lhe entre lençóis que gostaria de realizar o fetiche.

A prima havia sido escolhida pela esposa para compor o trio por ser “bela, confiável e disponível”, segundo a própria. E além de parente, a prima era uma das grandes amigas da esposa. Seus atributos físicos de vinte e tantos anos de idade não foram nem um pouco minados pelo fato de já ser mãe. Pelo contrário, a maternidade aparentemente havia realçado suas curvas, enquanto a sua condição de solteira e vaidosa a mantinha determinada no cuidado com a aparência. 

A esposa ligou uma caixa de som bluetooth e colocou o seu iPhone para tocar uma playlist sexualmente convidativa, em baixo volume. Serviu o marido com uma taça de vinho e ofereceu outro à prima. Conversaram no sofá à vontade e, entre risadas, relembraram fatos divertidos do passado. Até que a esposa levantou-se e, no ímpeto, revelou a atração que sentia por sua prima desde que a jovem havia se tornado mulher. O marido, que não sabia disso, arregalou os olhos e levou as mãos à face, já em deleite pelo o que estava por vir. 

A esposa então sorriu entre lábios mordidos, puxou cada um por uma mão e conduziu-os até a suíte. Os três ajoelharam sobre a cama. A esposa posicionou-se no meio. Tocou suavemente na nuca do marido com uma mão e na nuca da prima com a outra. Afastou o seu rosto do caminho e, lentamente, aproximou o rosto dos dois, promovendo um beijo bastardo. Observava atentamente os lábios do seu marido tocar os de sua prima. Sua expectativa é a de que ficassem constrangidos. Mas empalideceu ao notar a sintonia entre aqueles dois. 

O marido não apenas beijava a prima. Ele parecia necessitar de cada pedaço daquela mulher. Os dois trocavam olhares de cumplicidade misturada com uma ternura incompatível com uma proposta tão casual. Naquele instante, a esposa percebeu que a boca de seu marido nunca fora integralmente comprometida com a sua. Afastou-se então vagarosamente, mas continuava olhando para os dois, na esperança de ser percebida. Em vão. Saiu sem avisar. 

Entrou no banheiro da suíte, trancou-se, e baixou a cabeça com as mãos apoiadas na porta. Abalada, deslizou as mãos porta abaixo até que a mão direita novamente atingisse a chave. Retirou-a, e olhou pelo buraco da fechadura. Pôde observar o marido e a prima. Entre beijos e mordidas, ele sorria para a prima de um jeito que ela nunca havia visto. Eles não pareciam ser apenas um casal proibido. Eram mais do que isso. Eram um dueto, tão bem composto e bem afinado de forma que a carreira de sucesso daqueles dois juntos parecia vir de longa data, e que um sem o outro já não deveria fazer o menor sentido. 

Em dado momento, a esposa viu a prima levar o dedo indicador à boca, num gesto para que o seu marido se calasse. O que era segredo? Sua cabeça começava a doer. Achou até ali que pudesse estar errada. Que pudesse ser apenas uma curiosa coincidência que o filho de sua prima fosse extremamente parecido com o seu marido, tanto fisicamente quanto em seus trejeitos. Achava que, ao propor ao seu marido o ménage à trois com a prima, ela pudesse constatar ali, de perto, na intimidade à três, que nunca houve nada entre os dois. Mas era fato que, a cada ano que passava, mais aquele moleque, contando ali com cinco anos de idade completos, tornava-se cópia irrefutável daquele que definitivamente era o seu pai. 

Levantou-se, virou-se para a pia e olhou-se no espelho impecavelmente limpo. Viu nitidamente a imagem de uma mulher enganada. Levou as mãos até a barriga e acariciou o seu ventre oco, incapaz de ter gerado uma criança durante aqueles anos de matrimônio. Devastada, recebeu, então, o ultimato de sua dor. Atingiu o espelho com um golpe tão forte que mesmo suas mãos suaves puderam quebrá-lo. Pegou o maior e mais pontiagudo pedaço de vidro e o apertou, até que o sangue misturado com toda a frustração de uma esposa dedicada pudesse escorrer de sua mão. 

A essa altura, motivado pelo barulho, o seu marido já gritava por ela do outro lado, tentando a todo custo abrir a porta. A esposa calmamente destrancou-a, e deparou-se com o cônjuge estático e assustado. Antes que ele pudesse esboçar alguma reação, levou certeiramente o estilhaço ensanguentado ao pescoço do marido, perfurando e rasgando sua jugular, e mantendo o vidro em sua mão. 

A prima gritou abraçada às pernas no canto da cama. Completamente fora de si, a esposa caminhou lentamente até ela, enquanto o seu marido sangrava no chão até a morte. Pegou a prima pelos cabelos, e, como era mais forte, deitou-a de costas sobre os lençóis ainda quentes das preliminares. Então, acertou-lhe a barriga diversas vezes com o vidro, certificando-se de que nada sobraria daquele ventre fértil e maldito. 

O interfone tocou. Com os gritos, era provável que os vizinhos tivessem acionado a portaria. Assim, a esposa largou o estilhaço, foi até a sacada do quarto, e olhou desconsolada para o horizonte. Entortou a cabeça para o lado, mantendo o olhar fixo, como se estivesse em profundo estado de contemplação. A brisa da noite soprava em seu rosto e levava consigo as últimas lágrimas. Era o fim. Respirou profundamente, relaxou os ombros, e deixou-se cair, lançando-se enfim ao voo da morte. 

Na calçada da Frei Caneca, enquanto a polícia ainda não chegava, uma travesti corpulenta enxotava um jovem que havia subido na grade do condomínio para tirar uma selfie com o corpo estirado do outro lado. Depois, em vão, ela tentava impedir que outros curiosos se aglomerassem na grade com seus smartphones. O sangue fervido de surto que jorrava da cabeça da esposa descia contornando o seu corpo e misturava-se ao sangue inocente do aborto. No IML, constatou-se que ela finalmente estava grávida de três semanas.

Postagens mais visitadas deste blog

Desmonte

Numa manhã de dia útil no escritório, já no final de novembro, uma moça que trabalha no mesmo prédio que eu comentou que ainda não havia enfeites de Natal por ali. Questionava a ausência das cores e luzes de fim de ano para alegrar os tons frios das mesas, cadeiras e gaveteiros. O alerta não passou despercebido. Imediatamente parei de olhar para a tela do computador e me peguei por alguns segundos com o cotovelo apoiado na mesa, a mão segurando o queixo e o olhar distante. Depois olhei ao redor. De fato, ainda não havia árvore de Natal, guirlanda, ou boneco de Papai Noel.
No dia seguinte, cheguei ao trabalho com alguns enfeites para adornar a palmeirinha que possuo em minha mesa. "Gostei do seu mato de Natal", comentou um dos colegas, em tom de deboche. De fato, a palmeirinha mais parece mato que cresce do nada em qualquer terra de beira de estrada. Mas era o único ser vivo por ali que poderia servir de árvore de Natal. Eu até poderia pendurar uma guirlanda em meu pescoço, ma…

Capuccino

Gosto de muitas coisas em São Paulo. Entre elas, as belas tardes frias de sol que a cidade proporciona aos seus habitantes em muitos dias ao longo do ano. Aquele sol que, a despeito do céu azulado, não aquece o suficiente. O resultado de um dia de fim de semana assim é ver pessoas aos montes passeando nos parques em trajes elegantes, mesmo que, eventualmente, elas acabem rolando na grama com seus cachorros, crianças e outros amores, envolvidas por uma atmosfera alegre e laranja.

Penitência

Eu nasci em uma família cristã católica e, portanto, tive acesso a todas as tradições, costumes e eventos inerentes a uma vida devota. Participei de batizados, casamentos, novenas, festa de pentecostes, via sacra. Já fui responsável pelo som da igreja e já carreguei as imagens de Cristo e de Nossa Senhora em meus ombros nas procissões. Fiz coro aos mais belos cantos, junto de pessoas humildes que apenas agradeciam as bênçãos da vida ou que ainda buscavam a cura, o perdão e o consolo.