Pular para o conteúdo principal

VIP


Esse mês eu fui informado pela Uber que eu me tornei temporariamente um passageiro VIP, por causa do aumento da minha nota e por ter utilizado o aplicativo determinado número de vezes no mês anterior. Isso significa que tenho direito a escolher os motoristas VIPs da plataforma, que são aqueles mais bem avaliados no aplicativo. Ou seja, muito chique (até parece).


Pedi o meu primeiro motorista VIP. Sua nota era 4.96. Comecei dando uma leve mancada que eu não costumo dar com motoristas da Uber. Eu estava na saída de um evento e tinham muitos carros chegando para buscar as pessoas. Com medo de ser assaltado, memorizei as características do veículo e a placa, e guardei o celular. Avistei um carro de longe e fui atrás achando que fosse o meu. Ao me aproximar, vi que o carro tinha placa diferente da selecionada para mim no aplicativo, e que o meu carro na verdade já estava aguardando próximo de onde eu estava antes. Tive que voltar.

Cheguei ao carro certo, acenei do lado de fora, me identifiquei, entrei e pedi desculpas ao motorista pela pequena demora, explicando o motivo. Com uma simpatia quase robótica, ele me respondeu: “Tudo bem, fique tranquilo, não precisa se chatear. Já vi coisa pior...”. Bom, meu pedido de desculpa foi sincero, mas eu não estava exatamente chateado. E eu creio que ele realmente já tenha visto coisa pior do que um passageiro fazê-lo esperar por no máximo 2 minutos.



A partir daí, ele começou a me contar casos de passageiros verdadeiramente ruins. E a dizer o que ele julgava como o certo e o errado na prestação de serviço como motorista, sobre os direitos e deveres dos passageiros etc. “Se acontecer isso, o passageiro tem que pagar”. “Se acontecer aquilo, eu vou agir assim e assado”. “Jamais uso palavras de baixo calão na conversa com o passageiro”. “É muito desagradável quando isso e aquilo acontece”. "É necessário perguntar as necessidades do passageiro". E falou sobre as mais diversas interações vividas entre ele e antigos passageiros.


Explicou ainda sobre os critérios de avaliação da Uber para ser tornar um motorista VIP (nota, experiência, muitos elogios - inclusive em outras línguas - etc) e a dedicação com a qual ele busca as cinco estrelas em todas as viagens. Suas explicações todas muito corretas, justas e coerentes, porém expostas de forma tão sistemática e tão desprovidas de carisma que logo foi me entediando ao longo do trajeto.

Eu não relaxei naquela viagem. Pouco me mexi, com receio de que algum movimento meu pudesse provocar algo que desagradasse ao motorista. Ao perceber que eu estava em silêncio, ele me avisou que havia balinhas na minha porta e tentou puxar mais assunto. Não desenvolvi. Ao final da corrida, ele me revelou o seu truque. “Sabe como eu faço para persuadir o passageiro a me dar nota cinco? Avaliando o passageiro com nota cinco na frente dele”. E então clicou nas cinco estrelas para mim. E se despediu formalmente.

Passou longe de ser umas das minhas melhores experiências com o aplicativo, apesar do motorista VIP com nota 4.96. Mas eu o avaliei depois com cinco estrelas, já que era importante para ele e a viagem correu de fato sem transtornos.

Mas aí eu me lembro de uma viagem de alguns dias antes da corrida VIP, quando eu ainda não estava como passageiro VIP e peguei um motorista com cerca de 4,7 de nota. Vou chamá-lo de Mateus para evitar expor o rapaz o mínimo que seja. Mateus me recebeu em seu carro com a cara não muito boa. Cumprimentou-me sem cerimônias. Não foi mal-educado, mas também não foi simpático. Confirmou o local de destino e iniciou a viagem.

Lembro que o carro de Mateus não estava muito limpo. Mas eu não costumo ligar para isso. Primeiro, porque o carro não é meu. Segundo, porque eu utilizo o serviço durante apenas um curto intervalo de tempo dentro das muitas horas diárias e semanais que esse motorista roda com o seu carro. E eu entendo o quanto pode ser trabalhoso e custoso manter, nessas condições, um carro limpo. Portanto, querer me deparar com carros sempre impecáveis seria de uma tremenda falta de empatia com os seus donos.

Mateus também não perguntou se eu queria que ele ligasse o ar condicionado. E também não perguntou se eu queria ouvir uma rádio específica. Não parecia estar muito interessado em me agradar. Continuou com os vidros abertos e ouvindo o seu rock clássico. Abriu a boca minutos depois para reclamar de um local onde foi buscar um passageiro anterior naquele mesmo dia. Era uma rua com muita areia e lama, e o passageiro entrou com o tênis sujo. Mesmo que a história tenha servido de justificativa parcial para o estado de higiene do carro, deu pra notar que esse não era o objetivo de Mateus. Ele apenas estava indignado com as condições de uma viagem anterior, e quem estava ali na hora para ouvi-lo reclamar era eu.

Em determinado momento, deparamo-nos com um trânsito intenso. Mateus soltou um “PQP” sussurrado. Mas, assim que alcançamos a primeira esquina após o início do trânsito, Mateus dobrou à direita, mudando o trajeto. Nessa hora, intervi. “Por aqui?”. “Fica tranquilo, conheço a região, vamos sair desse trânsito, tá com cara de acidente”, respondeu. O motorista não deve mudar o trajeto sem antes consultar o passageiro, mas, como eu havia dito anteriormente, Mateus não parecia interessado em me agradar.

Desconfiado, acompanhei por GPS o trajeto alternativo. Mateus tricotou pelas ruas, dirigia apressado, mas sem cometer infrações. Logo fiquei satisfeito por estar fugindo do trânsito. Ajudei Mateus a observar os vários cruzamentos e curvas pelos quais passamos naquele desvio. Pouco tempo depois, retornamos para a via principal onde estávamos, justamente logo após o que confirmamos ser um acidente. Três carros engavetados. “Não falei!?”. E sorriu pela primeira vez, triunfante. “Mandou bem!”, eu disse a ele. A atitude de Mateus de certa forma serviu para nos aproximar.

Mateus disse que tinha outro emprego, e que a Uber era só para completar renda, pois a sua filha estava para nascer. Confidenciou-me ainda que a mulher havia perdido o primeiro filho do casal, com 3 meses de gravidez. Eu percebia Mateus sorrindo ao me contar que dessa vez o sonho de ser pai estava se concretizando. Desejei uma boa hora para esposa e felicidades ao casal. Mateus agradeceu.

Paramos no semáforo. Um menino que vendia balinhas deixou um pacotinho delas em cima do retrovisor. “Vou comprar balinha porque tu é maneiro”, disse Mateus. Pegou o pacote, deu duas moedas de 1 real ao menino, ficou com a metade das balas e me deu a outra metade. Agradeci. Chegamos ao meu destino. Mateus finalizou a corrida. “Tá entregue, SENHOR Renan!”. Ele disse um “Senhor” comicamente debochado. E logo sorriu novamente e me desejou um sincero bom fim de semana.

Mateus me ofereceu, além do seu serviço como motorista, a sua verdade transparente, seja na forma de atitude ao desviar do trânsito, seja na partilha de uma dor e de uma alegria pessoais, materializadas em dois fetos, ou mesmo ainda nas balinhas compradas no sinal. Ele não tinha balinhas quando entrei no carro. Ele entendeu que era seu direito me julgar merecedor. Se, aos seus olhos, eu não tivesse sido "maneiro", não haveria balinha alguma. Mateus mostrou-se tão real e espontâneo que foi impossível não desenvolver simpatia por aquele sujeito.

Avaliei Mateus com cinco estrelas. E foram cinco estrelas dadas com muito mais gosto do que as cinco estrelas com as quais avaliei o motorista VIP. E eu sei que isso revela muito mais coisas sobre mim do que sobre os dois motoristas. Revela sobre a minha leve aversão aos processos e pessoas muito protocolares. Revela um pouco sobre as minhas ressalvas quanto ao “o certo é o certo, e o errado é o errado”. Nesse mundo tão complexo e com pessoas interagindo de formas tão complexas, acredito sim que algumas vezes o “certo” e o “errado” simplesmente se visitam, se combinam, se confundem e finalmente podem se inverter.

De acordo com os critérios objetivos do aplicativo, tão bem explicados para mim pelo motorista VIP, Mateus não merecia ser um VIP também. De fato, merecia coisa melhor.

Postagens mais visitadas deste blog

Gonorreia

Ontem fizeram uma socialzinha aqui em casa, coisa de Marcia, sua amiga e seu namorado. Mamãe detestava esse entra-e-sai de gente na sala dela, bastou morrer para que minha irmã transformasse isso aqui num boteco de esquina. Não, não. Pensando bem, se mamãe ainda desse o ar de sua desgraça nesse mundo, talvez ela não se importasse com essa gente de Marcia pisando em seu tapete, afinal, diferente de mim, minha irmã sempre pôde fazer tudo nessa casa. A primeira a chegar foi Claudete, a amiga. Soube que era ela assim que eu desci as escadas, por causa do cheiro de cigarro misturado com aquele perfume horroroso de flores que ela usa, essas flores típicas de coroas fúnebres para homenagear os mortos. Rosas brancas, crisântemos, lírios. Veio me cumprimentar por obrigação como sempre faz, com o seu sorriso amarelado de nicotina e aquelas mãos geladas. Praticamente uma defunta, uma defunta defumada. Claudete não gosta de mim. Certa vez negou-me um cigarro por pura implic

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência. Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose. Entretanto, eu me encontrava em minha casa naq

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito. Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas

O menino que me pediu ajuda em matemática

Pode me ajudar com matemática, Renan?, foi assim que Cauê (nome fictício) veio até mim naquela manhã em sala de aula logo após descobrir que havia ficado em recuperação na disciplina. Cauê e eu não éramos próximos, mal havíamos nos falado durante os primeiros meses do sétimo ano, embora estudássemos na mesma turma. Tal fato, somado a uma abordagem tão educada, me fez entender que ele realmente estava interessado em melhorar a nota e, mais do que isso, ele acreditava que eu pudesse mesmo ajudá-lo. Era impossível dizer não. Passamos alguns dias juntos, lado a lado, eu explicando a matéria para Cauê nos intervalos das aulas e até mesmo um pouco depois do horário. Naturalmente fomos nos aproximando ao longo desse tempo. Entre funções lineares e figuras geométricas, Cauê e eu também conversávamos coisas de adolescente e, a bem da verdade, às vezes era mais isso do que matemática. E foi assim que o peso da obrigação moral de ajudá-lo cedeu lugar ao gosto d

O canto do galo

Levantar cedo nunca foi uma de minhas virtudes, embora seja uma obrigação que cumpro. Tenho apego ao travesseiro assim como um bebê perante a sua chupeta. Quase choro todas as manhãs por deixá-lo sozinho, longe do meu calor, esfriando ao longo do dia. O que me salva são os afazeres diários, impostos por uma sociedade que preza pelos primeiros raios de sol. Não me entendam mal: eu adoro as manhãs, e contemplá-las me deixa inspirado. Mas eu realmente sinto uma dificuldade crônica em aproveitá-las nos dias em que eu posso dormir até mais tarde. Em outras palavras, uma preguiça colossal. Não importa o quão cedo eu durma no dia anterior; levantar da cama na manhã seguinte é sempre tarefa difícil para mim. Todas as noites eu ativo o alarme do celular para me despertar quarenta e cinco minutos antes do horário real. E são esses quarenta e cinco minutos que me fazem ir aceitando, aos poucos, o fato de que preciso sair da cama e encarar a vida. Mesmo assim, e