Pular para o conteúdo principal

VIP


Esse mês eu fui informado pela Uber que eu me tornei temporariamente um passageiro VIP, por causa do aumento da minha nota e por ter utilizado o aplicativo determinado número de vezes no mês anterior. Isso significa que tenho direito a escolher os motoristas VIPs da plataforma, que são aqueles mais bem avaliados no aplicativo. Ou seja, muito chique (até parece).


Pedi o meu primeiro motorista VIP. Sua nota era 4.96. Comecei dando uma leve mancada que eu não costumo dar com motoristas da Uber. Eu estava na saída de um evento e tinham muitos carros chegando para buscar as pessoas. Com medo de ser assaltado, memorizei as características do veículo e a placa, e guardei o celular. Avistei um carro de longe e fui atrás achando que fosse o meu. Ao me aproximar, vi que o carro tinha placa diferente da selecionada para mim no aplicativo, e que o meu carro na verdade já estava aguardando próximo de onde eu estava antes. Tive que voltar.

Cheguei ao carro certo, acenei do lado de fora, me identifiquei, entrei e pedi desculpas ao motorista pela pequena demora, explicando o motivo. Com uma simpatia quase robótica, ele me respondeu: “Tudo bem, fique tranquilo, não precisa se chatear. Já vi coisa pior...”. Bom, meu pedido de desculpa foi sincero, mas eu não estava exatamente chateado. E eu creio que ele realmente já tenha visto coisa pior do que um passageiro fazê-lo esperar por no máximo 2 minutos.



A partir daí, ele começou a me contar casos de passageiros verdadeiramente ruins. E a dizer o que ele julgava como o certo e o errado na prestação de serviço como motorista, sobre os direitos e deveres dos passageiros etc. “Se acontecer isso, o passageiro tem que pagar”. “Se acontecer aquilo, eu vou agir assim e assado”. “Jamais uso palavras de baixo calão na conversa com o passageiro”. “É muito desagradável quando isso e aquilo acontece”. "É necessário perguntar as necessidades do passageiro". E falou sobre as mais diversas interações vividas entre ele e antigos passageiros.


Explicou ainda sobre os critérios de avaliação da Uber para ser tornar um motorista VIP (nota, experiência, muitos elogios - inclusive em outras línguas - etc) e a dedicação com a qual ele busca as cinco estrelas em todas as viagens. Suas explicações todas muito corretas, justas e coerentes, porém expostas de forma tão sistemática e tão desprovidas de carisma que logo foi me entediando ao longo do trajeto.

Eu não relaxei naquela viagem. Pouco me mexi, com receio de que algum movimento meu pudesse provocar algo que desagradasse ao motorista. Ao perceber que eu estava em silêncio, ele me avisou que havia balinhas na minha porta e tentou puxar mais assunto. Não desenvolvi. Ao final da corrida, ele me revelou o seu truque. “Sabe como eu faço para persuadir o passageiro a me dar nota cinco? Avaliando o passageiro com nota cinco na frente dele”. E então clicou nas cinco estrelas para mim. E se despediu formalmente.

Passou longe de ser umas das minhas melhores experiências com o aplicativo, apesar do motorista VIP com nota 4.96. Mas eu o avaliei depois com cinco estrelas, já que era importante para ele e a viagem correu de fato sem transtornos.

Mas aí eu me lembro de uma viagem de alguns dias antes da corrida VIP, quando eu ainda não estava como passageiro VIP e peguei um motorista com cerca de 4,7 de nota. Vou chamá-lo de Mateus para evitar expor o rapaz o mínimo que seja. Mateus me recebeu em seu carro com a cara não muito boa. Cumprimentou-me sem cerimônias. Não foi mal-educado, mas também não foi simpático. Confirmou o local de destino e iniciou a viagem.

Lembro que o carro de Mateus não estava muito limpo. Mas eu não costumo ligar para isso. Primeiro, porque o carro não é meu. Segundo, porque eu utilizo o serviço durante apenas um curto intervalo de tempo dentro das muitas horas diárias e semanais que esse motorista roda com o seu carro. E eu entendo o quanto pode ser trabalhoso e custoso manter, nessas condições, um carro limpo. Portanto, querer me deparar com carros sempre impecáveis seria de uma tremenda falta de empatia com os seus donos.

Mateus também não perguntou se eu queria que ele ligasse o ar condicionado. E também não perguntou se eu queria ouvir uma rádio específica. Não parecia estar muito interessado em me agradar. Continuou com os vidros abertos e ouvindo o seu rock clássico. Abriu a boca minutos depois para reclamar de um local onde foi buscar um passageiro anterior naquele mesmo dia. Era uma rua com muita areia e lama, e o passageiro entrou com o tênis sujo. Mesmo que a história tenha servido de justificativa parcial para o estado de higiene do carro, deu pra notar que esse não era o objetivo de Mateus. Ele apenas estava indignado com as condições de uma viagem anterior, e quem estava ali na hora para ouvi-lo reclamar era eu.

Em determinado momento, deparamo-nos com um trânsito intenso. Mateus soltou um “PQP” sussurrado. Mas, assim que alcançamos a primeira esquina após o início do trânsito, Mateus dobrou à direita, mudando o trajeto. Nessa hora, intervi. “Por aqui?”. “Fica tranquilo, conheço a região, vamos sair desse trânsito, tá com cara de acidente”, respondeu. O motorista não deve mudar o trajeto sem antes consultar o passageiro, mas, como eu havia dito anteriormente, Mateus não parecia interessado em me agradar.

Desconfiado, acompanhei por GPS o trajeto alternativo. Mateus tricotou pelas ruas, dirigia apressado, mas sem cometer infrações. Logo fiquei satisfeito por estar fugindo do trânsito. Ajudei Mateus a observar os vários cruzamentos e curvas pelos quais passamos naquele desvio. Pouco tempo depois, retornamos para a via principal onde estávamos, justamente logo após o que confirmamos ser um acidente. Três carros engavetados. “Não falei!?”. E sorriu pela primeira vez, triunfante. “Mandou bem!”, eu disse a ele. A atitude de Mateus de certa forma serviu para nos aproximar.

Mateus disse que tinha outro emprego, e que a Uber era só para completar renda, pois a sua filha estava para nascer. Confidenciou-me ainda que a mulher havia perdido o primeiro filho do casal, com 3 meses de gravidez. Eu percebia Mateus sorrindo ao me contar que dessa vez o sonho de ser pai estava se concretizando. Desejei uma boa hora para esposa e felicidades ao casal. Mateus agradeceu.

Paramos no semáforo. Um menino que vendia balinhas deixou um pacotinho delas em cima do retrovisor. “Vou comprar balinha porque tu é maneiro”, disse Mateus. Pegou o pacote, deu duas moedas de 1 real ao menino, ficou com a metade das balas e me deu a outra metade. Agradeci. Chegamos ao meu destino. Mateus finalizou a corrida. “Tá entregue, SENHOR Renan!”. Ele disse um “Senhor” comicamente debochado. E logo sorriu novamente e me desejou um sincero bom fim de semana.

Mateus me ofereceu, além do seu serviço como motorista, a sua verdade transparente, seja na forma de atitude ao desviar do trânsito, seja na partilha de uma dor e de uma alegria pessoais, materializadas em dois fetos, ou mesmo ainda nas balinhas compradas no sinal. Ele não tinha balinhas quando entrei no carro. Ele entendeu que era seu direito me julgar merecedor. Se, aos seus olhos, eu não tivesse sido "maneiro", não haveria balinha alguma. Mateus mostrou-se tão real e espontâneo que foi impossível não desenvolver simpatia por aquele sujeito.

Avaliei Mateus com cinco estrelas. E foram cinco estrelas dadas com muito mais gosto do que as cinco estrelas com as quais avaliei o motorista VIP. E eu sei que isso revela muito mais coisas sobre mim do que sobre os dois motoristas. Revela sobre a minha leve aversão aos processos e pessoas muito protocolares. Revela um pouco sobre as minhas ressalvas quanto ao “o certo é o certo, e o errado é o errado”. Nesse mundo tão complexo e com pessoas interagindo de formas tão complexas, acredito sim que algumas vezes o “certo” e o “errado” simplesmente se visitam, se combinam, se confundem e finalmente podem se inverter.

De acordo com os critérios objetivos do aplicativo, tão bem explicados para mim pelo motorista VIP, Mateus não merecia ser um VIP também. De fato, merecia coisa melhor.

Postagens mais visitadas deste blog

Quando minha mãe vem me visitar

Quando minha mãe vem me visitar, a primeira coisa que ela faz é reclamar; a segunda é me dar amor. Anda pelos cômodos, abre gavetas, geladeira, diz que falta isso e aquilo e que eu deveria fazer tal e tal coisa. Depois ela faz café e me oferece docinho na medida dentro de uma xícara que eu nem lembrava que tinha, retirada do fundo inexplorado do meu armário de solteiro. Estava com saudade!, diz. E então logo eu começo a ouvir barulhos e a sentir cheiros sem que eu precise fazer nada. A gente que mora sozinho fica sensível a qualquer estímulo em casa que não tenha sido provocado por nós. Levo susto na sala com o chiado repentino vindo da cozinha: cebola e alho postos para refogar. Não tem jeito, costumo ter pouco sucesso em chamá-la para comer fora. No fim da tarde, é o esmalte e a acetona que se espalham no ar enquanto ela faz as unhas em frente às novelas mexicanas. Sei de longe que é novela mexicana por causa da trilha s

Desmonte

Numa manhã de dia útil no escritório, já no final de novembro, uma moça que trabalha no mesmo prédio que eu comentou que ainda não havia enfeites de Natal por ali. Questionava a ausência das cores e luzes de fim de ano para alegrar os tons frios das mesas, cadeiras e gaveteiros. O alerta não passou despercebido. Imediatamente, parei de olhar para a tela do computador e me peguei por alguns segundos com o cotovelo apoiado na mesa, a mão segurando o queixo e o olhar distante. Depois olhei ao redor. De fato, ainda não havia por ali árvore de Natal, guirlanda, ou boneco de Papai Noel.  No dia seguinte, cheguei ao trabalho com alguns enfeites para adornar a palmeirinha que possuo em minha mesa. "Gostei do seu mato de Natal", comentou um dos colegas, em tom de deboche. De fato, a palmeirinha mais parece mato que cresce do nada em qualquer terra de beira de estrada. Mas era o único ser vivo por ali que poderia servir de árvore de Natal. Eu até pod

Pole dance

Chego em casa após um dia exaustivo e ainda tenho que comer essa coisa requentada em vez de comida fresca!, foi o que Cida ouviu do marido naquela noite. Furiosa, resolveu na mesma hora meter as roupas na mala e deixar Chico, sem maiores cerimônias. Pois coma com o diabo!, saiu batendo a porta. Cida foi abrigada por Kátia, sua amiga desde os tempos de colégio e agora dona de um bordel de luxo no centro da cidade. A cafetina instalou a dona de casa no melhor quarto e pediu às prostitutas que não a incomodassem. No entanto, a amizade com as meninas foi inevitável após Cida ter flagrado uma delas ensaiando num pole dance. Encantou-se imediatamente pela arte e resolveu, assim, treinar com as garotas, dia após dia. Ao passo que perdia a timidez, ganhava novo entendimento sobre o seu próprio corpo a cada encontro com a barra brilhante. Num momento de capricho e autoconfiança, Cida pediu a Kátia para se apresentar na noite de luxúria. Era pouco mais de

Beijo no semáforo

Já passava da meia-noite quando eu estava em meu carro voltando para casa após um encontro com amigos. Próximo ao cruzamento com uma avenida, o carro na minha frente foi reduzindo a velocidade assim que o semáforo ficou amarelo. Acredito que ninguém se sinta confortável em parar tarde da noite nos semáforos de cidades grandes, mas aquele era um cruzamento com uma avenida importante, onde o fluxo de carros se mantinha razoável mesmo durante a madrugada. Não tinha como avançar. Através do vidro traseiro do carro da frente, eu pude notar que dentro dele havia um casal, e que o homem era o motorista. Aquele semáforo já era um velho conhecido meu; eu sabia que ele demoraria no vermelho. E parecia que o casal também sabia disso, pois assim que pararam o carro, observei que o homem puxou o freio de mão. Em seguida, ambos se olharam. A penumbra causada pela luz dos postes era suficiente para que eu conseguisse enxergar o contorno iluminado daqueles dois rost

Garotinha do papai

    - Alô! - Alô, pai? - Oi, minha princesa! Diga. - Chegou bem no trabalho? - Sim, já estou no escritório. - Que horas você volta hoje? - Por volta das sete, por quê? - Preciso de um favor seu… - Fale, meu amor. - Poderia passar na farmácia e comprar um pacote de camisinhas pra mim? - Oi? - Passar na farmácia e comprar camisinhas pra mim… - Como assim, Luana? - É que hoje eu vou transar com o meu namorado pela primeira vez. Ele é meio distraído, não sei se vai se lembrar de levar... - Luana, você está doida? Como é que você me pede uma coisa dessas? - Ué, algum problema? - Luana, você tem apenas dezesseis anos! - Eu sei. E todas as minhas amigas já transaram, só eu é que… - Luana, isso não é justificativa! Eu não estou acreditando que você está me pedindo isso! - Pai, você não vive me dizendo que eu posso contar com o senhor pra qualquer coisa? - Mas não pra isso! Onde já se viu? - Mas eu pensei que… - Pensou errado! Cale essa sua boca! Não quero mais saber disso! Aliás, desde quando