Pular para o conteúdo principal

Cappuccino

Xícara branca de cappuccino com desenho na superfície

Gosto de muitas coisas em São Paulo. Entre elas, as belas tardes frias de sol que a cidade proporciona aos seus habitantes em muitos dias ao longo do ano. Aquele sol que, a despeito do céu azulado, não aquece o suficiente. O resultado de um dia de fim de semana assim é ver pessoas aos montes passeando nos parques em trajes elegantes, mesmo que, eventualmente, elas acabem rolando na grama com seus cachorros, crianças e outros amores, envolvidas por uma atmosfera alegre e laranja.

Foi num dia de domingo exatamente como esse que eu me encontrei, certa vez, sentado numa das inúmeras cafeterias da capital. Voltando de um passeio preguiçoso e solitário, não resisti ao charme do lugar. Entrei e logo procurei um lugar ao sol, na varanda. O espaço interno do estabelecimento era bonito e muito bem decorado, mas seria desperdício não estar do lado de fora contemplando um pouco mais aquela tarde, que logo se despediria. Olhei o menu somente por hábito, pois eu já sabia o que queria. Cappuccino. O maior, mais quente e cremoso cappuccino que pudessem me oferecer.

Não demorou muito para que o meu pedido chegasse. Sustentado por uma xícara grande que ostentava um belo monograma, o meu desejado café com leite encontrava-se provocante debaixo de camadas de chantilly, espuma e canela. E para o derradeiro deleite, um anel de chocolate fazia-se presente na borda da xícara. Eu consigo fantasiar o momento em que a xícara foi lentamente lambuzada de chocolate com uma pequena espátula, num ápice de erotismo gourmet. Naquele instante, não havia nada mais que combinasse com aquela tarde do que aquele cappuccino posto à mesa.

Mas nem todos pareciam estar satisfeitos naquele lugar. Em outra mesa, uma moça e um rapaz olhavam-se com semblantes sérios. Chamarei a moça de Letícia, pois acho que o nome combina com ela. Letícia tinha à sua frente também um cappucino, idêntico ao meu. Supus que eles fossem um casal pelo o que pude observar a partir do momento em que atentei neles. Talvez eu observe as pessoas com mais frequência do que elas possam imaginar. E os dois estavam perto o suficiente para que eu pudesse reparar nos detalhes daquela interação, mas também longe o suficiente para que eu não conseguisse ouvir o que diziam. E era melhor que fosse assim.

O rapaz segurava a mão de Letícia por cima da mesa enquanto falava algo que parecia entristecê-la profundamente. Ela tinha a outra mão ao lado da cabeça e o cotovelo apoiado na mesa, e ouvia atentamente o que ele dizia, mantendo a testa franzida, os olhos marejados e a boca apertada como se estivesse segurando um grito de desespero. Aquele olhar me chamou atenção de tal maneira que eu tive que tomar muito cuidado para não me tornar inconveniente. Letícia tinha na face uma expressão tão desolada que eu não duvidaria se as melhores atrizes do cinema julgassem-se inaptas a reproduzi-la.

Por várias vezes durante aquele longo monólogo, o rapaz balançou lentamente a cabeça em sinal de negação, como que para enfatizar da forma mais doce possível aquilo que parecia ser um pedido de desculpas por estarem tendo aquela conversa. Mas o que seriam esses "nãos"? Talvez ele tivesse aprontado alguma e pedisse perdão, ou talvez ele estivesse terminando o relacionamento com ela. Não era possível afirmar até ali.

O suposto término só se tornou a opção mais plausível para mim quando o rapaz tirou suas mãos sobre as mãos de Letícia e, arrastando-as sobre a mesa, tentou trazê-las de volta para si. Imediatamente, Letícia tentou buscar as mãos dele novamente, já com as lágrimas evidentes em seu rosto. Mas dessa vez  ele negou-lhe o gesto. Permaneceram calados durante alguns minutos. Letícia olhava fixamente para ele, que, constrangido, terminava de comer uma torta. Quando terminou, ele ainda permaneceu um tempo olhando para Letícia, em silêncio, como que para se certificar de que ela ficaria bem. Por fim, deixou uma quantia sobre a mesa, despediu-se e saiu.

Após ter sido deixada na cafeteria, Letícia levou as mãos à face, e a abaixou. Chorava. Quando tirou as mãos, Letícia pela primeira vez pareceu preocupada em estar sendo observada pelas pessoas das outras mesas. Olhou ao redor enxugando as lágrimas com a manga da blusa de frio. Nesse momento, tive que disfarçar. Notei que outras pessoas disfarçaram também. Eu estava triste por ela. Deveria ser proibido terminar o relacionamento com alguém numa tarde de domingo tão bonita como aquela, num lugar tão charmoso como aquele e diante de um cappuccino que certamente estava tão gostoso quanto o meu.

Após acalmar-se, Letícia esticou as mangas da blusa para cobrir também as mãos. O frio aumentava. Colocou dessa vez ambos os cotovelos sobre a mesa e entrelaçou as mãos, fazendo-as de base para apoiar a cabeça. Estava posicionada de forma que os últimos raios de sol iluminassem o seu rosto pálido. E assim permaneceu, parada, de olhos fechados, como se estivesse alimentando-se daquela luz terminal. Pude então notar certa serenidade em sua expressão repousada, os lábios entreabertos, quase que em meditação, num incrível contraste com os minutos anteriores. E foi assim que percebi que a atmosfera daquela bela tarde naquela cafeteria, na verdade, era perfeita também para aquela ocasião.

Letícia então abriu os olhos, lembrou-se da xícara e tomou o que restava de cappuccino, mesmo que a essa altura a bebida provavelmente estivesse fria. Segurou depois a xícara com as duas mãos e olhou para os fundos dela, como se tentasse, em vão, ver o seu futuro em borra de café. E foi aí que ela me surpreendeu de vez. A sua xícara ainda contava com a borda de chocolate. Letícia não pensou muito antes de passar o dedo ao longo de toda a borda e levá-lo à boca. E repetiu o movimento, até que não sobrasse mais chocolate.

Talvez outra pessoa não tivesse estômago para continuar degustando um cappuccino que fora interrompido por uma decepção amorosa. Algumas situações desnorteiam completamente a gente. Algumas pessoas demorariam muito tempo até retomarem a calma. Talvez esquecessem de pagar a conta. Talvez esquecessem até de onde estavam e do que as cercavam. Mas não aquela moça. Letícia enxugou as lágrimas rapidamente, contemplou os últimos minutos de sol e ainda consumiu o chocolate até que não deixasse rastro. Mantinha-se ávida por prazeres, por mais difícil que tivesse sido aquela tarde. Letícia talvez não soubesse, mas naquele momento ela já tinha dado o primeiro passo rumo à superação. Ela ficaria bem.

Olhei para o meu cappuccino, também já quase no fim. A exemplo de Letícia, passei o dedo no chocolate e lambi. E lembrei que a vida é assim mesmo. Faltam algumas coisas. E perde-se muitas também. Mas sempre há sol. E às vezes também cappuccino. E cappuccino com borda chocolate ainda por cima. Não pode haver desilusão que estrague o meu sol e o meu café.

[Olá! Meu nome é Renan e o meu hobby é escrever. Se você gostou desse texto, por favor, curta/comente/compartilhe. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊]

Postagens mais visitadas deste blog

O porquinho

A velha Teresa somava oitenta anos de idade nas costas e ainda possuía carinho de sobra para preparar o café com leite de seu esposo. A tranquilidade dava o tom daquela manhã, que se descortinava sem pressa, como manda a boa cartilha dos domingos. Um pequeno beija-flor desconfiado se aproximava do basculante da cozinha, onde um bebedouro encoberto por coloridas pétalas de plástico chamava a sua atenção. No canto da pia, um radinho de pilha engordurado resistia ao tempo, valente, permitindo que Roberto Carlos cantasse.
Nosso amor é demais E quando o amor se faz Tudo é bem mais bonito Nele a gente se dá Muito mais do que está E o que não está escrito Enquanto o café ia perfumando a casa ao coar num pano encardido do pó de outras manhãs, Teresa se atentava no beija-flor. O pássaro bicou duas vezes a água misturada com açúcar antes de ser tomado por uma ousadia que fez com que ele entrasse pelo basculante e batesse as asas, imóvel, diante da idosa. Nesse instante, um riso impo…

Caixa de papelão

Ontem à noite eu me vi diante de uma caixa de papelão, dessas que guardam o passado e se amontoam no cantinho das memórias. De trás dela saiu uma borboleta azul, que veio pousar em meu dedo. Apareceu tão rapidamente que me parecia enfurecida a princípio. Entretanto, frágil e inocente, a borboleta tinha numa das asas o desenho de um sorriso. Em seguida, abri a caixa e logo ouvi a melodia de um hit de verão que vinha lá do fundo. Todas as caixas de memórias são também caixas de músicas, e das boas.
O volume da canção aumentava à medida que se intensificava no ar a maresia carioca: quente, úmida, descompromissada e irremediavelmente passional. Foi quando um filete d'água espirrou da caixa, direto em meu olho. Ao tentar bloqueá-lo com a palma da mão, o filete se tornou mais espesso, transformou-se num jato forte e não demorou muito para que uma onda quebrasse sobre minha cabeça. Cambalhotas mil, encontrei-me estirado nas areias de Copacabana, e você  em cima de mim. Estávamo…

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência.
Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose.
Entretanto, eu me encontrava em minha casa naqu…

Ménage à Trois

A esposa, o marido e a prima da esposa entraram na cobertura do casal, localizado na Rua Frei Caneca, coração da capital paulista. Após oito anos de casamento, o marido fora surpreendido por sua mulher quando ela, numa manhã cinzenta de terça-feira, confidenciou-lhe entre lençóis que gostaria de realizar o fetiche.
A prima havia sido escolhida pela esposa para compor o trio por ser “bela, confiável e disponível”, segundo a própria. E além de parente, a prima era uma das grandes amigas da esposa. Seus atributos físicos de vinte e tantos anos de idade não foram nem um pouco minados pelo fato de já ser mãe. Pelo contrário, a maternidade aparentemente havia realçado suas curvas, enquanto a sua condição de solteira e vaidosa a mantinha determinada no cuidado com a aparência. 
A esposa ligou uma caixa de som bluetooth e colocou o seu iPhone para tocar uma playlist sexualmente convidativa, em baixo volume. Serviu o marido com uma taça de vinho e ofereceu outr…

Chuva em São Paulo

Chove em São Paulo, e sei que não há novidade nisso. Nem na chuva, nem em tudo o que ela traz. É apenas o mesmo céu vestindo o mesmo cinza, como se quisesse imitar o concreto do qual essa selva é feita. São as mesmas poças d'água, que se espalham feito minas pelo chão, onde os mais desatentos pisam na ilusão da caminhada segura; até que eles explodem, molhados e cheios de raiva.
É a conhecida garoa em sua terra natal, dizendo baixinho para mim que não vai me molhar—e me engana. É tão somente a brisa de agosto, que sopra gelada a pouco mais de setecentos metros acima do nível do mar, e se transforma em vento; às vezes vendaval. Este, por sua vez, cospe chuva através de janelas entreabertas, de onde brotam filetes que escorrem paredes abaixo desbotando tudo. É como se as janelas vertessem lágrimas. E talvez elas chorem mesmo. É possível que tudo chore: os prédios, as casas, a tinta e o asfalto. São Paulo não é das cidades mais fáceis. Quando chove, até aq…