Pular para o conteúdo principal

Quarentena



Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito.

Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas não poderia mesmo pedir o divórcio de mim; só me resta evoluir.

Tenho feito coisas diferentes. Decidi encarar mais vezes a panela de pressão. Pois é, tenho medo dela; sempre tive. Faz muito barulho, e eu interpreto o chiado como um aviso de que "meu lindo, eu vou explodir aqui a qualquer momento". Minhas habilidades na cozinha não são nulas; são negativas. Já transformei ingredientes em anticomida, no sentido de que era melhor ter consumido tudo separado e cru do que ter cozinhado Chernobyl. Mas o feijão preto, ah o feijão preto... esse tem ficado cada vez melhor. É de esfregar na cara da sociedade paulista, que prefere o feijão marrom. Amo os paulistas, de verdade, e não me importo que falem bolacha no lugar de biscoito, mas o feijão marrom é algo difícil de engolir, literalmente.

Não tenho cão ou gato em casa. Minha sensatez não permite; morreriam de solidão. Daí que cismei com plantas. Minhas plantas representam um paradoxo de minha maturidade. Ao mesmo tempo que percebo que já envelheci o suficiente a ponto de valorizar as samambaias que minha mãe pendura em sua varanda, sei que me apeguei às mudas justamente por serem quietas (e fáceis). Apesar de que, ultimamente, elas têm falado mais do que deveriam. Uma delas suplica, baixinho, por luz solar direta. Abro a janela e admiro enquanto ela se banha. Tenho inveja da fotossíntese delas; tal capacidade me pouparia de encarar a panela de pressão. Pedem água também, desesperadas. Ofereço-lhes de dias em dias, coitadas; sou um algoz. Mas acho que elas gostam de mim e às vezes só querem conversar. Talvez eu tenha aprendido a escutá-las; ou talvez eu esteja infectado e isso seja um sintoma pouco compreendido do vírus, não sei.

Tenho uma pilha de livros para ler. Sinto um prazer imenso ao possuir vários livros empilhados no "cantinho dos livros a serem lidos" desde que eu esteja, no presente momento, lendo um deles a todo vapor. Pois isso se volta facilmente contra mim quando deixo a leitura de lado por alguns dias. Daí a pilha de páginas e mais páginas pendentes começa logo a gritar "meu lindo, por que você nos comprou então?". E como gritam alto! Aquilo vira um tormento, e os livros debocham da minha possível incapacidade de terminar algo que eu comecei.  E assim, acabo sendo feito de refém, e preciso lê-los para que não me matem.

Também virei refém de um aplicativo de celular para realização de exercícios físicos diários, em casa. Ele apita sempre às dezenove horas, me intimando a pegar o colchonete e proceder com a sequência da vez. Francamente, eu só me coloco em furada! A voz eletrônica que me "motiva" é a mesma da moça-padrão dos aplicativos para motoristas. "Fle-xão de bra-ços em lo-san-go". Irritante. E depois de várias repetições, ela emenda um "Se estiver muito difícil, apoie os joelhos no chão". Olho para o celular, rindo de constrangimento, porque a maldita deduz corretamente que eu estou exausto. Mas não apoio, orgulhoso que sou. E ai de mim se eu deixar de me exercitar algum dia. Fica ali na tela, um buraquinho no dia pulado, faltando o selo de "cumprido". E sem os selos, eu não consigo alcançar o troféu dourado que o aplicativo me promete ao final dos dias de desafio. Um horror.

Como alívio, eu poderia supor que os filmes e séries seriam os meus melhores amigos nesse período. Mas não. Na maioria das vezes, deixo a TV ligada apenas para ouvir vozes humanas (senão eu escuto as plantas). Na verdade, eu não sei se possuo grandes aliados tecnológicos por aqui, pois desconfio de que não sejam tão amigos; todos têm um lado sombrio. Mas tenho, sim, um grande inimigo inegável: eu mesmo. Descobri que deixar de fazer algumas coisas de que eu gostaria ou que deveria fazer tem menos a ver com falta de tempo e mais com falta de vergonha na cara. Assim mesmo, com essa grosseria. E é desagradável perceber isso. Mas há o lado bom, é claro; sempre há. Fica evidente que muitas coisas estão em minhas mãos, e sempre estiveram.

Não vou mais procrastinar. Mas antes, deixa o vírus passar.

[Olá! Meu nome é Renan e o meu hobby é escrever. Se você gostou desse texto, por favor, curta/comente/compartilhe. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊]
instagram: @renan.mar | facebook: nuances.r

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu rastro por aqui!

Postagens mais visitadas deste blog

Um tempero diferente

Minha mãe não gosta de coentro, assim como muitas pessoas. Não foram poucas as vezes que eu a ouvi dizer que esse polêmico condimento estraga a comida. Embora seja uma mulher doce e compreensiva, dona Rose costuma ser assertiva quando ela acha algo ruim. E para a comida temperada com coentro, não há salvação. O banquete pode ter sido preparado pelas mãos mais experientes, pelos chefs mais renomados da alta gastronomia, avaliado em cinco estrelas por todas as revistas de culinária francesa, mas se minha mãe percebe o coentro por ali, verdinho, picado e aparentemente inofensivo tentando se esconder, ela não valoriza o prato. Sente logo o cheiro; desiste antes de pôr na boca. “Tem coentro aqui!”, reclama fazendo cara feia, nariz torcido; empurra! Entra em saia justa e tenta ser discreta para a desfeita não ficar muito na cara.  Coentro é mau gosto do cozinheiro, diria ela. Desse jeito, sem meio-termo.  Para a minha mãe, o coentro é como

Gaveta de bilhetes

Se há pouco mais de um ano alguém tivesse me pedido para pensar em uma situação caótica capaz de cancelar o Carnaval, eu talvez pudesse mencionar uma guerra imprevista contra alguma nação implicante ou talvez citasse algum desastre natural de grande magnitude. Ou, quem sabe ainda, eu imaginasse uma mudança sócio-política-cultural drástica causada por uma revolução evangélica, onde o Estado se tornaria oficialmente cristão e a população se dobraria aos preceitos bíblicos mais autoritários (assim como aconteceu no Irã com a Revolução Islâmica). Todas essas distopias eu poderia considerar como grandes motivos para acabar com o Carnaval em nosso país. No entanto, dentro de minha visão limitada de possíveis tragédias, eu jamais incluiria o surgimento de um vírus com potencial pandêmico. Meu amigo Samuel me convidou em cima da hora para passar o feriado com ele no Rio de Janeiro. Ficamos hospedados em Copacabana e o que vimos foi uma cidade que, de

Pole dance

Chego em casa após um dia exaustivo e ainda tenho que comer essa coisa requentada em vez de comida fresca!, foi o que Cida ouviu do marido naquela noite. Furiosa, resolveu na mesma hora meter as roupas na mala e deixar Chico, sem maiores cerimônias. Pois coma com o diabo!, saiu batendo a porta. Cida foi abrigada por Kátia, sua amiga desde os tempos de colégio e agora dona de um bordel de luxo no centro da cidade. A cafetina instalou a dona de casa no melhor quarto e pediu às prostitutas que não a incomodassem. No entanto, a amizade com as meninas foi inevitável após Cida ter flagrado uma delas ensaiando num pole dance. Encantou-se imediatamente pela arte e resolveu, assim, treinar com as garotas, dia após dia. Ao passo que perdia a timidez, ganhava novo entendimento sobre o seu próprio corpo a cada encontro com a barra brilhante. Num momento de capricho e autoconfiança, Cida pediu a Kátia para se apresentar na noite de luxúria. Era pouco mais de

Ninja na farmácia

Eu estava na farmácia quando avistei Sônia (nome fictício). Imediatamente me escondi atrás de uma pilastra para que ela não me visse também. Sônia é uma senhora de uns sessenta anos; alguém que eu não conheço o bastante para ter assunto, mas que ao mesmo tempo eu conheço o suficiente para me sentir na obrigação de ter que falar mais do que um “oi”—situação essa que eu detesto. Sônia veio em minha direção, sem me notar. Virei de costas para ela. Não é antipatia, juro. É apenas timidez; um terrível desconforto. A simpatia (ou a falta dela) é uma característica que nos é dada, depende de interação com alguém. Eu não posso ser antipático com uma pessoa se ela não teve sequer a oportunidade de me ver e, portanto, de me considerar como tal. Logo, decidi me esquivar de qualquer interação com Sônia sem culpa. Fui para outro corredor enquanto Sônia escolhia sabonetes. Mesmo que eu já tivesse pego tudo o que queria, supus que ir para a fila do caixa naquele mo

Fantasia

Conheço a Marcela "de outros Carnavais", como dizem por aí. Mas foi no último baile à fantasia, em que eu estava acompanhado dos meus amigos atuais, que me lembrei novamente dela, depois de tanto tempo do nosso breve encontro na vida. Éramos dois estudantes em 2005, e nos conhecemos em um projeto de estudos para vestibulandos da área de exatas que se reuniam à tarde com o objetivo de resolver questões de provas de vestibulares anteriores. Os encontros estavam previstos para durarem apenas duas semanas. Sentei-me ao lado dela no primeiro dia de grupo. Assim como eu, Marcela estava deslocada dos demais e parecia não conhecer ninguém. Não notou a minha aproximação, mesmo com o barulho vergonhoso que fiz quando apliquei uma força mal dimensionada em minha mochila, que colidiu brutalmente com as costas da cadeira onde eu escolhi sentar. Permaneceu atenta numa folha de papel rabiscada com números e equações. O monitor da turma se apossou do quadro negro e começou a corrig