Pular para o conteúdo principal

Quarentena



Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito.

Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas não poderia mesmo pedir o divórcio de mim; só me resta evoluir.

Tenho feito coisas diferentes. Decidi encarar mais vezes a panela de pressão. Pois é, tenho medo dela; sempre tive. Faz muito barulho, e eu interpreto o chiado como um aviso de que "meu lindo, eu vou explodir aqui a qualquer momento". Minhas habilidades na cozinha não são nulas; são negativas. Já transformei ingredientes em anticomida, no sentido de que era melhor ter consumido tudo separado e cru do que ter cozinhado Chernobyl. Mas o feijão preto, ah o feijão preto... esse tem ficado cada vez melhor. É de esfregar na cara da sociedade paulista, que prefere o feijão marrom. Amo os paulistas, de verdade, e não me importo que falem bolacha no lugar de biscoito, mas o feijão marrom é algo difícil de engolir, literalmente.

Não tenho cão ou gato em casa. Minha sensatez não permite; morreriam de solidão. Daí que cismei com plantas. Minhas plantas representam um paradoxo de minha maturidade. Ao mesmo tempo que percebo que já envelheci o suficiente a ponto de valorizar as samambaias que minha mãe pendura em sua varanda, sei que me apeguei às mudas justamente por serem quietas (e fáceis). Apesar de que, ultimamente, elas têm falado mais do que deveriam. Uma delas suplica, baixinho, por luz solar direta. Abro a janela e admiro enquanto ela se banha. Tenho inveja da fotossíntese delas; tal capacidade me pouparia de encarar a panela de pressão. Pedem água também, desesperadas. Ofereço-lhes de dias em dias, coitadas; sou um algoz. Mas acho que elas gostam de mim e às vezes só querem conversar. Talvez eu tenha aprendido a escutá-las; ou talvez eu esteja infectado e isso seja um sintoma pouco compreendido do vírus, não sei.

Tenho uma pilha de livros para ler. Sinto um prazer imenso ao possuir vários livros empilhados no "cantinho dos livros a serem lidos" desde que eu esteja, no presente momento, lendo um deles a todo vapor. Pois isso se volta facilmente contra mim quando deixo a leitura de lado por alguns dias. Daí a pilha de páginas e mais páginas pendentes começa logo a gritar "meu lindo, por que você nos comprou então?". E como gritam alto! Aquilo vira um tormento, e os livros debocham da minha possível incapacidade de terminar algo que eu comecei.  E assim, acabo sendo feito de refém, e preciso lê-los para que não me matem.

Também virei refém de um aplicativo de celular para realização de exercícios físicos diários, em casa. Ele apita sempre às dezenove horas, me intimando a pegar o colchonete e proceder com a sequência da vez. Francamente, eu só me coloco em furada! A voz eletrônica que me "motiva" é a mesma da moça-padrão dos aplicativos para motoristas. "Fle-xão de bra-ços em lo-san-go". Irritante. E depois de várias repetições, ela emenda um "Se estiver muito difícil, apoie os joelhos no chão". Olho para o celular, rindo de constrangimento, porque a maldita deduz corretamente que eu estou exausto. Mas não apoio, orgulhoso que sou. E ai de mim se eu deixar de me exercitar algum dia. Fica ali na tela, um buraquinho no dia pulado, faltando o selo de "cumprido". E sem os selos, eu não consigo alcançar o troféu dourado que o aplicativo me promete ao final dos dias de desafio. Um horror.

Como alívio, eu poderia supor que os filmes e séries seriam os meus melhores amigos nesse período. Mas não. Na maioria das vezes, deixo a TV ligada apenas para ouvir vozes humanas (senão eu escuto as plantas). Na verdade, eu não sei se possuo grandes aliados tecnológicos por aqui, pois desconfio de que não sejam tão amigos; todos têm um lado sombrio. Mas tenho, sim, um grande inimigo inegável: eu mesmo. Descobri que deixar de fazer algumas coisas de que eu gostaria ou que deveria fazer tem menos a ver com falta de tempo e mais com falta de vergonha na cara. Assim mesmo, com essa grosseria. E é desagradável perceber isso. Mas há o lado bom, é claro; sempre há. Fica evidente que muitas coisas estão em minhas mãos, e sempre estiveram.

Não vou mais procrastinar. Mas antes, deixa o vírus passar.

[Olá! Meu nome é Renan e o meu hobby é escrever. Se você gostou desse texto, por favor, curta/comente/compartilhe. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊]
instagram: @renan.mar | facebook: nuances.r

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu rastro por aqui!

Postagens mais visitadas deste blog

Caixa de papelão

Ontem à noite eu me vi diante de uma caixa de papelão, dessas que guardam o passado e se amontoam no cantinho das memórias. De trás dela saiu uma borboleta azul, que veio pousar em meu dedo. Revelou-se tão rapidamente que me pareceu enfurecida a princípio. Entretanto, frágil e inocente, a borboleta tinha numa das asas o desenho de um sorriso. Em seguida, abri a caixa e logo ouvi a melodia de um hit de verão que vinha lá do fundo. Todas as caixas de memórias são também caixas de músicas, e das boas.
O volume da canção aumentava à medida que se intensificava no ar a maresia carioca: quente, úmida, descompromissada e irremediavelmente passional. Foi quando um filete d'água espirrou da caixa, direto em meu olho. Ao tentar bloqueá-lo com a palma da mão, o filete se tornou mais espesso, transformou-se num jato forte e não demorou muito para que uma onda quebrasse sobre minha cabeça. Cambalhotas mil, encontrei-me estirado nas areias de Copacabana, e você  em cima de mim. Estáva…

As estrelas não se importam

Mais uma vez eu estava sentado na cadeira do escritório, cabelo penteado, todo adultinho, na segunda metade dos anos 1990. Durante as férias escolares, meu pai adorava me levar para o trabalho com ele, na Cinelândia; e eu adorava ir. Ele sempre me colocava numa mesa em L só para mim, com computador, canetas, papéis para rascunho, grampeadores, tudo, que provavelmente pertenciam a algum funcionário recém-demitido. A Mesbla havia decretado falência e, cada vez que eu voltava lá com o meu pai, havia menos gente e mais computadores órfãos espalhados pelo departamento administrativo. Eu até podia escolher onde queria ficar.
Eu ainda não tinha computador em casa naquela época e, portanto, ter um só para mim durante todo o expediente do meu pai era maravilhoso. Assim que chegávamos, meu pai me apresentava à sociedade daquela firma: uns caras maneirinhos que faziam cafuné em mim no estilo "E aí garotão, beleza, você é o famoso Renan então? Teu pai fala muito de você, bom aluno mas não jog…

O porquinho

A velha Teresa somava oitenta anos de idade nas costas e ainda possuía carinho de sobra para preparar o café com leite de seu esposo. A tranquilidade dava o tom daquela manhã, que se descortinava sem pressa, como manda a boa cartilha dos domingos. Um pequeno beija-flor desconfiado se aproximava do basculante da cozinha, onde um bebedouro encoberto por coloridas pétalas de plástico chamava a sua atenção. No canto da pia, um radinho de pilha engordurado resistia ao tempo, valente, permitindo que Roberto Carlos cantasse.
Nosso amor é demais E quando o amor se faz Tudo é bem mais bonito Nele a gente se dá Muito mais do que está E o que não está escrito Enquanto o café ia perfumando a casa ao coar num pano encardido do pó de outras manhãs, Teresa se atentava no beija-flor. O pássaro bicou duas vezes a água misturada com açúcar antes de ser tomado por uma ousadia que fez com que ele entrasse pelo basculante e batesse as asas, imóvel, diante da idosa. Nesse instante, um riso impo…

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência.
Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose.
Entretanto, eu me encontrava em minha casa naqu…

O espirro nos tempos do corona

Fila do supermercado. Minha cesta de compras continha biscoitos, chocolates e refrigerantes  ̶̶  pouco adequada a um adulto que já cruzou os trinta, mas que me fez feliz. As pessoas aguardavam, cada uma, sobre uma fita adesiva que marcava o lugar no chão e que, juntas, garantiam a distância de pelo menos 1 metro e meio entre elas. Eu era o segundo da fila, sem considerar a cliente que já estava terminando de passar as compras no caixa.
Na minha frente, em primeiro, estava uma senhorinha magra, curvada, de cabelos curtos e totalmente brancos, integrante de longa data do grupo de risco da covid-19. (Não entendi por que ela não estava na fila preferencial.) Todos de máscara, sem exceção: do pessoal da limpeza aos operadores de caixa, da criança ao idoso. Não percebi São Paulo adormecendo tanto assim durante esses meses de quarentena, mas a máscara todo mundo aprendeu a usar. Por decreto.
Todos menos eu, admito. Todas as minhas máscaras vão caindo enquanto eu …