Pular para o conteúdo principal

Balões

Não teremos festas juninas esse ano devido à pandemia. Começo esse texto logo com essa constatação desagradável; ao menos para mim, pois desde criança as festas juninas são as minhas preferidas entre as festividades anuais. Por vários motivos. O frio (mesmo que sutil) que o sudeste brasileiro permite nessa época do ano e que a gente tenta aliviar com uma fogueira aconchegante. As comidas típicas, que para mim são melhores até mesmo do que os quitutes natalinos. A fantasia caipira, a quadrilha e as músicas. Como é gostoso ouvir, cantar e deixar-se envolver por “Pagode Russo” de Luiz Gonzaga, entre tantas outras canções tão representativas.

Existe algo nas festas juninas que as diferem de todas as outras tradicionais. Ao mesmo tempo que é um evento para todas as idades, ela traz consigo um certo clima de sensualidade. Diferente do Natal, que é estritamente familiar, santificado e que portanto não promove (ou não deveria promover) condições para que você e sua prima se agarrem depois da ceia enquanto o tio da piada do pavê já está pra lá de bêbado, as festas juninas abrem espaço para o flerte. Está frio, um xote maroto toca, a quadrilha está para começar; escolham seus pares! Ao sermos envolvidos pelo caracol da quadrilha, ao teatralizarmos o casamento na roça embriagados de quentão, a gente se diverte.

Algumas brincadeiras típicas eu quase nunca vi nas festas que frequentei. “Pau de sebo” é uma delas. Mas eu até compreendo a ausência dessa, visto ser uma brincadeira difícil de preparar, estando mais restrita às festas maiores e patrocinadas (afinal, é preciso fincar na terra um pau bastante comprido besuntado de algo escorregadio!). Barracas do beijo, infelizmente, eu só as vi nos gibis do Chico Bento. Nem nos arraiás da universidade eu encontrei barracas do beijo. Uma pena, pois acho a brincadeira muito válida. A gente tem mais é que beijar mesmo. É aquela coisa: se organizar direitinho, todo mundo beija.

Mas o que verdadeiramente me faz falta nas festas juninas são os balões. Meu pai e meus tios costumavam soltar o balão-caixote, aquele pequeno em formato de, ora, caixote. Daí eles instalavam a bucha, acendiam, e o balão lentamente iluminava-se e ganhava força. Eu, ali do lado, sentia o meu rosto aquecer e minha empolgação inflar tal qual o balão. Aquilo me fazia feliz; eu sorria conforme a chama aumentava. A bucha pingava, o ar quente se tornava suficiente para o voo, e eles largavam o balão, que subia muitas vezes cambaleando devido ao vento, para o meu deleite infantil. E então eu ficava parado, acompanhando por infinitos minutos o objeto subindo, perdendo sua forma, e depois confundindo-se com as estrelas, até sumir de vista. Aquilo me fascinava.

Um balão é como uma memória. Seguro-o fervido no presente, sinto sua chama viva, atual, sua superfície brilhante sob o meu controle. É o ato e o fato; é o agora. Mas depois o solto (é preciso) para que torne memória. De começo, uma memória detalhada. E então o balão sobe, e vou lembrando, e continuo a lembrar, e ele subindo, e revisito o balão. Mas conforme o tempo passa, eu lembro cada vez menos, o balão vai perdendo o seu formato à medida que sobe, até que a lembrança se torna um pontinho de luz, sem forma, sem detalhes, apenas uma turva lembrança daquilo que um dia foi. Até que some. Some? Existem balões que jamais somem na intimidade do céu de cada um, dizem. Ainda estou para comprovar.

Hoje, entretanto, é preciso um olhar mais endurecido ao aceitar (e entender) que soltar balão tornou-se crime. Balões causam danos ambientais, podem incendiar matas, lares e prejudicam até mesmo a aviação. Não são poucos os exemplos que podemos encontrar por aí. É curioso que, na maioria das vezes, nós enxergamos as coisas somente até onde elas nos parecem belas, ignorando suas consequências. Como pode uma coisa tão bonita, tradicional e de natureza quase pueril ser considerado um crime? Ora, é somente uma boa ideia que surge da nobre humildade humana em apenas querer iluminar um pouco o céu junto com as estrelas numa noite fria. Que mal pode haver nisso?

O balão me lembra aquelas boas intenções que no fim das contas podem acabar muito mal. Quantos balões soltamos por aí na intenção de propagar o bem, de enaltecer supostos bons valores, vislumbrando apenas iluminar o céu e alegrar a todos, mas que na verdade geram destruição e sofrimento? O balão do moralismo, o balão do patriarcalismo, o balão do que o senso comum considera ser justiça (esse é perigosíssimo!), o balão que diz que mulher deve ficar em casa cuidando dos filhos e servindo ao marido, o balão que enaltece a família tradicional em detrimento de outras configurações familiares, o balão de quem acha mais conveniente um branco assumir uma posição social de destaque do que um preto. Vários balões que carregam preconceitos disfarçados e que muitos não admitem que soltam, mas soltam.

São balões inflados pelas ideias ultrapassadas de cidadãos de bem que só querem se divertir, iluminando o céu noturno com aquilo que aprenderam que é bonito, que é certo, sem levar em consideração que sob esse mesmo céu surgem todos os dias novas situações com as quais precisamos aprender a lidar. É chato crescer e tomar conhecimento do perigo que um balão representa quando cai lá do outro lado, no terreno alheio. É chato, mas é necessário. Não é fácil entender que coisas tão tradicionais e que pareciam funcionar tão bem aos nossos olhos são, na verdade, bastante nocivas, não só para outras pessoas, mas para a sociedade como um todo.

Consideramos nossos conceitos e atitudes como balões que sobem, belos e iluminados, convenientes e justos, pairando sobre o conforto de nossa festa junina ao lado de nossa família e amigos. Mas não fazemos ideia (ou não paramos para pensar) sobre os danos que eles podem causar. É preciso tempo para finalmente entender que algumas coisas não são exatamente boas. Talvez fosse mais fácil não ter consciência de que balões causam estragos  ̶̶  como era antigamente  ̶̶  mas isso não seria o melhor. Todo conhecimento é necessário em prol de uma sociedade mais justa, por mais que ele quebre inocências e promova rupturas dolorosas com nossos velhos ideais.

Entretanto, eu entendo você. Eu também gostaria muito de preservar a idoneidade de minhas doces memórias. E sendo assim, eu gostaria mesmo era de viver num mundo onde os balões jamais caíssem. Que os balões não machucassem ninguém. Que o meu céu junino iluminado fosse o céu de todos. Que os balões apenas ascendessem em verdadeira virtude e luz, até que desaparecessem de vista, absorvidos como oferta pelo bondoso Deus que, lá do céu, aí sim, veria com bons olhos todo esse arraiá.

[Texto reciclado de uma postagem que fiz no Facebook há algum tempo, mas que não cheguei a publicar nesta página]

[Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou desse texto, por favor, curta/comente/compartilhe. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊]
instagram: @renan.mar | facebook: nuances.r

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terra plana

A Terra é plana. Sim, eu descobri que é. É plana porque eu tropecei na esquina do mundo e caí para fora dele. Antes disso, eu corria de braços abertos a favor do vento, gargalhava os privilégios de todas as aventuras que podia, cantava de olhos fechados ao som dos violões mais afinados... até que de repente eu caí. Caí do nada, e no nada. E cá estou, flutuando logo abaixo da grande crosta. Daqui, posso ver as raízes de todas as florestas, as relíquias enterradas de todas as culturas, as veias de todos os rios saltadas para mim. Consigo ver fósseis de seres que já não existem, tumbas de deuses e reis que um dia mandaram e desmandaram lá em cima, além de todo o lixo que pinga chorume em meu rosto e escorre boca adentro. Não consigo respirar, engasgo, sinto um nojo colossal do líquido fedido que sai das coisas que antes me faziam sorrir. Olho para os lados e vejo vários pontinhos longe de mim e afastados uns dos outros; é gente que também caiu do mundo

As estrelas não se importam

Mais uma vez eu estava sentado na cadeira do escritório, cabelo penteado, todo adultinho, na segunda metade dos anos 1990. Durante as férias escolares, meu pai adorava me levar para o trabalho com ele, na Cinelândia; e eu adorava ir. Ele sempre me colocava numa mesa em L só para mim, com computador, canetas, papéis para rascunho, grampeadores, tudo, que provavelmente pertenciam a algum funcionário recém-demitido. A Mesbla havia decretado falência e, cada vez que eu voltava lá com o meu pai, havia menos gente e mais computadores órfãos espalhados pelo departamento administrativo. Eu até podia escolher onde queria ficar. Eu ainda não tinha computador em casa naquela época e, portanto, ter um só para mim durante todo o expediente do meu pai era maravilhoso. Assim que chegávamos, meu pai me apresentava à sociedade daquela firma: uns caras maneirinhos que faziam cafuné em mim no estilo  "E aí garotão, beleza, você é o famoso Renan então? Teu pai fala muito de você, bom aluno mas não jo

O menino que não tinha TV em casa

Samuel não é meu amigo de longa data, mas eu gostaria que fosse. Nós nos conhecemos no feriado prolongado de novembro de 2018, no Rio de Janeiro. De início, talvez ele tenha se esforçado mais do que eu para que nossa amizade sobrevivesse ao calor carioca (não consigo fazer nada direito no calor, inclusive amizades); e eu lhe agradeço por isso. Se não fosse por ele, eu jamais teria vivido os bons momentos que sua presença me proporcionou até aqui, tais quais o nosso passeio em Bonito (MS) e as incontáveis sociais em nossas casas. Engana-se quem o vê pela primeira vez e pensa que ele é quieto. De uma hora para outra, quando eu menos espero, ele desanda a falar; geralmente, algo interessante. Mas, distraído que sou, por vezes eu me perco em suas palavras. Daí que sou devidamente repreendido. "Repita o que eu estava te dizendo agora...". Entro em desespero, e tento repetir a história com as palavras soltas que ouvi. "Não é nada disso", finaliza ele, decepcionado. Porém,

O canto do galo

Levantar cedo nunca foi uma de minhas virtudes, embora seja uma obrigação que cumpro. Tenho apego ao travesseiro assim como um bebê perante a sua chupeta. Quase choro todas as manhãs por deixá-lo sozinho, longe do meu calor, esfriando ao longo do dia. O que me salva são os afazeres diários, impostos por uma sociedade que preza pelos primeiros raios de sol. Não me entendam mal: eu adoro as manhãs, e contemplá-las me deixa inspirado. Mas eu realmente sinto uma dificuldade crônica em aproveitá-las nos dias em que eu posso dormir até mais tarde. Em outras palavras, uma preguiça colossal. Não importa o quão cedo eu durma no dia anterior; levantar da cama na manhã seguinte é sempre tarefa difícil para mim. Todas as noites eu ativo o alarme do celular para me despertar quarenta e cinco minutos antes do horário real. E são esses quarenta e cinco minutos que me fazem ir aceitando, aos poucos, o fato de que preciso sair da cama e encarar a vida. Mesmo assim, e

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito. Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas