Pular para o conteúdo principal

Piracema

Quando fui a Bonito (MS) com o meu amigo Samuel, eu não imaginava que, dentre as atividades que faríamos, a de que eu mais fosse gostar seria a experiência de flutuar no Rio Sucuri. Talvez eu apostasse no roteiro de trilhas ou na famosa visita à Gruta do Lago Azul, cartão postal do Mato Grosso do Sul. São todos passeios incríveis, pois Bonito oferece uma natureza tão espetacular e exótica que chega a parecer irreal para cidadãos residentes em cidade grande. É como se tudo aquilo fosse de mentira; uma realidade virtual. Mas foi no Rio Sucuri que eu me vi mais cercado de poesia.

(Evitei de perguntar o porquê do nome do rio, temendo a resposta. É provável que o guia turístico tenha explicado e eu não tenha prestado atenção. Algumas vezes a gente apenas respira fundo e entrega a Deus.)

Bonito não decepciona. Tampouco o Rio Sucuri. Suas águas cristalinas são as águas de rio mais lindas que vi até hoje. Elas deixam que o fundo do rio exponha toda a sua beleza para o visitante que, sempre admirado, observa os tons de verde e azul que explodem na superfície. A densa vegetação ribeirinha e o canto das araras livres gritam para os nossos sentidos que estamos em meio a um lugar selvagem, quase intocado pelo homem. E, munidos de máscara e snorkel, é possível ver peixes coloridos aos montes e a vegetação fluvial por debaixo daquelas águas místicas—o que talvez, para muitos, seja o ponto alto de estar ali.

Entretanto, o que mais me fascinou durante todo o passeio foi a flutuação em si; estar à mercê da suave correnteza do rio—deixar-me ir. Permitir que as águas me levassem enquanto eu ficava imóvel na superfície foi um doce acalento. Entende-se que naquele momento nada mais importa; aceita-se o destino, que é certo e que é bom. Foi uma das experiências mais relaxantes que já tive. Não há espaço para a pressa, não existem cobranças; nada precisa ser feito. Tudo já foi traçado pelas águas. E você somente vai, à deriva na mudez da superfície, deitado olhando para o céu, sendo acompanhado pelas nuvens. Eu diria que é terapêutico.

Dizem os poetas que a vida é como um rio, em seu percurso irremediável rumo ao oceano. Que a gente brota da terra e simplesmente escorre ladeira abaixo até se deparar com a imensidão da morte. Mas eu não creio que seja bem assim; os poetas terão que me desculpar! A vida é um rio, sim, mas que seguimos no sentido da subida, contra a correnteza. Deixar-se ir na vida real é um perigo. Quem exclusivamente se deixa ir está fadado aos mandos e desmandos alheios, e aos vícios—além do risco de ser devorado por crocodilos à espreita.

As águas que descem o rio são de uma serenidade óbvia que é incompatível com a vida de quem luta. Além da correnteza que ajuda, não existem bifurcações rio abaixo terminando em lugares diferentes, não existem escolhas a serem feitas; basta esperar. Mas da vida a gente nada pode esperar. É subindo o rio que nos deparamos com as oportunidades e com as escolhas. Elas são os afluentes que encontramos desembocando caminho acima e que nos fazem perguntar a nós mesmos se continuaremos no rio principal ou se entraremos em algum deles. E uma vez feita a escolha, não há volta.

É claro que nem todo mundo enfrenta a mesma subida. Infelizmente os rios de alguns são mais caudalosos do que os de outros. Mas todos sobem; todos precisam, ao menos, tentar subir. Pois viver é subir o rio, encarando diferentes níveis de dificuldade ao longo do percurso. É cascatinha na fuça o tempo todo. Se você parar, o rio te arrasta de volta, e eventualmente te afoga. Se vacilar, volta-se ao ponto de partida, perde-se tempo, desmorona-se tudo o que foi construído, muito mais rápido do que o tempo que você levou para chegar até ali.

A vida é a piracema, em que os peixes precisam pular degraus, enfrentar a força das águas, até que encontrem lugar seguro para depositarem seus ovos—geralmente em locais mais rasos. O rio leva embora os ovos que foram mal depositados; eles não vingam. A gente desperdiça tanto os nossos esforços... Mas faz parte; os peixes aprendem e a gente também. (Ou não.) Na verdade, é um privilégio poder aprender. Infelizmente alguns peixes nem isso conseguem, pois são capturados e devorados por aves e ursos num salto desatento. E fim. O prosseguir, por si só, talvez já seja uma dádiva.

No final, encontra-se a nascente. Veja só que ironia: o fim de tudo é se deparar com a origem, ali onde talvez se compreenda a essência do rio escalado. Molham-se os pés numa poça modesta, formada por um corpo d'água que brota misterioso; porque no fim de tudo ainda há mistério. Reduz-se tudo a um filete, apenas um filete, que cabe na palma da mão e que escorre entre os dedos; é a (falsa) sensação de entendimento das verdades e das certezas sobre tudo.

E então morre-se ali, na pequena nascente, onde a água é bem mais limpa e tranquila, adequada à alma cansada que agora vai repousar.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções após a foto. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊
instagram: @renan.mar | facebook: nuances.r

Peixe colorido de água doce.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando minha mãe vem me visitar

Quando minha mãe vem me visitar, a primeira coisa que ela faz é reclamar; a segunda é me dar amor. Anda pelos cômodos, abre gavetas, geladeira, diz que falta isso e aquilo e que eu deveria fazer tal e tal coisa. Depois ela faz café e me oferece docinho na medida dentro de uma xícara que eu nem lembrava que tinha, retirada do fundo inexplorado do meu armário de solteiro. Estava com saudade!, diz. E então logo eu começo a ouvir barulhos e a sentir cheiros sem que eu precise fazer nada. A gente que mora sozinho fica sensível a qualquer estímulo em casa que não tenha sido provocado por nós. Levo susto na sala com o chiado repentino vindo da cozinha: cebola e alho postos para refogar. Não tem jeito, costumo ter pouco sucesso em chamá-la para comer fora. No fim da tarde, é o esmalte e a acetona que se espalham no ar enquanto ela faz as unhas em frente às novelas mexicanas. Sei de longe que é novela mexicana por causa da trilha s

Desmonte

Numa manhã de dia útil no escritório, já no final de novembro, uma moça que trabalha no mesmo prédio que eu comentou que ainda não havia enfeites de Natal por ali. Questionava a ausência das cores e luzes de fim de ano para alegrar os tons frios das mesas, cadeiras e gaveteiros. O alerta não passou despercebido. Imediatamente, parei de olhar para a tela do computador e me peguei por alguns segundos com o cotovelo apoiado na mesa, a mão segurando o queixo e o olhar distante. Depois olhei ao redor. De fato, ainda não havia por ali árvore de Natal, guirlanda, ou boneco de Papai Noel.  No dia seguinte, cheguei ao trabalho com alguns enfeites para adornar a palmeirinha que possuo em minha mesa. "Gostei do seu mato de Natal", comentou um dos colegas, em tom de deboche. De fato, a palmeirinha mais parece mato que cresce do nada em qualquer terra de beira de estrada. Mas era o único ser vivo por ali que poderia servir de árvore de Natal. Eu até pod

Pole dance

Chego em casa após um dia exaustivo e ainda tenho que comer essa coisa requentada em vez de comida fresca!, foi o que Cida ouviu do marido naquela noite. Furiosa, resolveu na mesma hora meter as roupas na mala e deixar Chico, sem maiores cerimônias. Pois coma com o diabo!, saiu batendo a porta. Cida foi abrigada por Kátia, sua amiga desde os tempos de colégio e agora dona de um bordel de luxo no centro da cidade. A cafetina instalou a dona de casa no melhor quarto e pediu às prostitutas que não a incomodassem. No entanto, a amizade com as meninas foi inevitável após Cida ter flagrado uma delas ensaiando num pole dance. Encantou-se imediatamente pela arte e resolveu, assim, treinar com as garotas, dia após dia. Ao passo que perdia a timidez, ganhava novo entendimento sobre o seu próprio corpo a cada encontro com a barra brilhante. Num momento de capricho e autoconfiança, Cida pediu a Kátia para se apresentar na noite de luxúria. Era pouco mais de

Beijo no semáforo

Já passava da meia-noite quando eu estava em meu carro voltando para casa após um encontro com amigos. Próximo ao cruzamento com uma avenida, o carro na minha frente foi reduzindo a velocidade assim que o semáforo ficou amarelo. Acredito que ninguém se sinta confortável em parar tarde da noite nos semáforos de cidades grandes, mas aquele era um cruzamento com uma avenida importante, onde o fluxo de carros se mantinha razoável mesmo durante a madrugada. Não tinha como avançar. Através do vidro traseiro do carro da frente, eu pude notar que dentro dele havia um casal, e que o homem era o motorista. Aquele semáforo já era um velho conhecido meu; eu sabia que ele demoraria no vermelho. E parecia que o casal também sabia disso, pois assim que pararam o carro, observei que o homem puxou o freio de mão. Em seguida, ambos se olharam. A penumbra causada pela luz dos postes era suficiente para que eu conseguisse enxergar o contorno iluminado daqueles dois rost

Garotinha do papai

    - Alô! - Alô, pai? - Oi, minha princesa! Diga. - Chegou bem no trabalho? - Sim, já estou no escritório. - Que horas você volta hoje? - Por volta das sete, por quê? - Preciso de um favor seu… - Fale, meu amor. - Poderia passar na farmácia e comprar um pacote de camisinhas pra mim? - Oi? - Passar na farmácia e comprar camisinhas pra mim… - Como assim, Luana? - É que hoje eu vou transar com o meu namorado pela primeira vez. Ele é meio distraído, não sei se vai se lembrar de levar... - Luana, você está doida? Como é que você me pede uma coisa dessas? - Ué, algum problema? - Luana, você tem apenas dezesseis anos! - Eu sei. E todas as minhas amigas já transaram, só eu é que… - Luana, isso não é justificativa! Eu não estou acreditando que você está me pedindo isso! - Pai, você não vive me dizendo que eu posso contar com o senhor pra qualquer coisa? - Mas não pra isso! Onde já se viu? - Mas eu pensei que… - Pensou errado! Cale essa sua boca! Não quero mais saber disso! Aliás, desde quando