Pular para o conteúdo principal

Piracema

Quando fui a Bonito (MS) com o meu amigo Samuel, eu não imaginava que, dentre as atividades que faríamos, a de que eu mais fosse gostar seria a experiência de flutuar no Rio Sucuri. Talvez eu apostasse no roteiro de trilhas ou na famosa visita à Gruta do Lago Azul, cartão postal do Mato Grosso do Sul. São todos passeios incríveis, pois Bonito oferece uma natureza tão espetacular e exótica que chega a parecer irreal para cidadãos residentes em cidade grande. É como se tudo aquilo fosse de mentira; uma realidade virtual. Mas foi no Rio Sucuri que eu me vi mais cercado de poesia.

(Evitei de perguntar o porquê do nome do rio, temendo a resposta. É provável que o guia turístico tenha explicado e eu não tenha prestado atenção. Algumas vezes a gente apenas respira fundo e entrega a Deus.)

Bonito não decepciona. Tampouco o Rio Sucuri. Suas águas cristalinas são as águas de rio mais lindas que vi até hoje. Elas deixam que o fundo do rio exponha toda a sua beleza para o visitante que, sempre admirado, observa os tons de verde e azul que explodem na superfície. A densa vegetação ribeirinha e o canto das araras livres gritam para os nossos sentidos que estamos em meio a um lugar selvagem, quase intocado pelo homem. E, munidos de máscara e snorkel, é possível ver peixes coloridos aos montes e a vegetação fluvial por debaixo daquelas águas místicas—o que talvez, para muitos, seja o ponto alto de estar ali.

Entretanto, o que mais me fascinou durante todo o passeio foi a flutuação em si; estar à mercê da suave correnteza do rio—deixar-me ir. Permitir que as águas me levassem enquanto eu ficava imóvel na superfície foi um doce acalento. Entende-se que naquele momento nada mais importa; aceita-se o destino, que é certo e que é bom. Foi uma das experiências mais relaxantes que já tive. Não há espaço para a pressa, não existem cobranças; nada precisa ser feito. Tudo já foi traçado pelas águas. E você somente vai, à deriva na mudez da superfície, deitado olhando para o céu, sendo acompanhado pelas nuvens. Eu diria que é terapêutico.

Dizem os poetas que a vida é como um rio, em seu percurso irremediável rumo ao oceano. Que a gente brota da terra e simplesmente escorre ladeira abaixo até se deparar com a imensidão da morte. Mas eu não creio que seja bem assim; os poetas terão que me desculpar! A vida é um rio, sim, mas que seguimos no sentido da subida, contra a correnteza. Deixar-se ir na vida real é um perigo. Quem exclusivamente se deixa ir está fadado aos mandos e desmandos alheios, e aos vícios—além do risco de ser devorado por crocodilos à espreita.

As águas que descem o rio são de uma serenidade óbvia que é incompatível com a vida de quem luta. Além da correnteza que ajuda, não existem bifurcações rio abaixo terminando em lugares diferentes, não existem escolhas a serem feitas; basta esperar. Mas da vida a gente nada pode esperar. É subindo o rio que nos deparamos com as oportunidades e com as escolhas. Elas são os afluentes que encontramos desembocando caminho acima e que nos fazem perguntar a nós mesmos se continuaremos no rio principal ou se entraremos em algum deles. E uma vez feita a escolha, não há volta.

É claro que nem todo mundo enfrenta a mesma subida. Infelizmente os rios de alguns são mais caudalosos do que os de outros. Mas todos sobem; todos precisam, ao menos, tentar subir. Pois viver é subir o rio, encarando diferentes níveis de dificuldade ao longo do percurso. É cascatinha na fuça o tempo todo. Se você parar, o rio te arrasta de volta, e eventualmente te afoga. Se vacilar, volta-se ao ponto de partida, perde-se tempo, desmorona-se tudo o que foi construído, muito mais rápido do que o tempo que você levou para chegar até ali.

A vida é a piracema, em que os peixes precisam pular degraus, enfrentar a força das águas, até que encontrem lugar seguro para depositarem seus ovos—geralmente em locais mais rasos. O rio leva embora os ovos que foram mal depositados; eles não vingam. A gente desperdiça tanto os nossos esforços... Mas faz parte; os peixes aprendem e a gente também. (Ou não.) Na verdade, é um privilégio poder aprender. Infelizmente alguns peixes nem isso conseguem, pois são capturados e devorados por aves e ursos num salto desatento. E fim. O prosseguir, por si só, talvez já seja uma dádiva.

No final, encontra-se a nascente. Veja só que ironia: o fim de tudo é se deparar com a origem, ali onde talvez se compreenda a essência do rio escalado. Molham-se os pés numa poça modesta, formada por um corpo d'água que brota misterioso; porque no fim de tudo ainda há mistério. Reduz-se tudo a um filete, apenas um filete, que cabe na palma da mão e que escorre entre os dedos; é a (falsa) sensação de entendimento das verdades e das certezas sobre tudo.

E então morre-se ali, na pequena nascente, onde a água é bem mais limpa e tranquila, adequada à alma cansada que agora vai repousar.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções após a foto. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊
instagram: @renan.mar | facebook: nuances.r

Peixe colorido de água doce.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O porquinho

A velha Teresa somava oitenta anos de idade nas costas e ainda possuía carinho de sobra para preparar o café com leite de seu esposo. A tranquilidade dava o tom daquela manhã, que se descortinava sem pressa, como manda a boa cartilha dos domingos. Um pequeno beija-flor desconfiado se aproximava do basculante da cozinha, onde um bebedouro encoberto por coloridas pétalas de plástico chamava a sua atenção. No canto da pia, um radinho de pilha engordurado resistia ao tempo, valente, permitindo que Roberto Carlos cantasse.
Nosso amor é demais E quando o amor se faz Tudo é bem mais bonito Nele a gente se dá Muito mais do que está E o que não está escrito Enquanto o café ia perfumando a casa ao coar num pano encardido do pó de outras manhãs, Teresa se atentava no beija-flor. O pássaro bicou duas vezes a água misturada com açúcar antes de ser tomado por uma ousadia que fez com que ele entrasse pelo basculante e batesse as asas, imóvel, diante da idosa. Nesse instante, um riso impo…

Caixa de papelão

Ontem à noite eu me vi diante de uma caixa de papelão, dessas que guardam o passado e se amontoam no cantinho das memórias. De trás dela saiu uma borboleta azul, que veio pousar em meu dedo. Apareceu tão rapidamente que me parecia enfurecida a princípio. Entretanto, frágil e inocente, a borboleta tinha numa das asas o desenho de um sorriso. Em seguida, abri a caixa e logo ouvi a melodia de um hit de verão que vinha lá do fundo. Todas as caixas de memórias são também caixas de músicas, e das boas.
O volume da canção aumentava à medida que se intensificava no ar a maresia carioca: quente, úmida, descompromissada e irremediavelmente passional. Foi quando um filete d'água espirrou da caixa, direto em meu olho. Ao tentar bloqueá-lo com a palma da mão, o filete se tornou mais espesso, transformou-se num jato forte e não demorou muito para que uma onda quebrasse sobre minha cabeça. Cambalhotas mil, encontrei-me estirado nas areias de Copacabana, e você  em cima de mim. Estávamo…

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência.
Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose.
Entretanto, eu me encontrava em minha casa naqu…

Ménage à Trois

A esposa, o marido e a prima da esposa entraram na cobertura do casal, localizado na Rua Frei Caneca, coração da capital paulista. Após oito anos de casamento, o marido fora surpreendido por sua mulher quando ela, numa manhã cinzenta de terça-feira, confidenciou-lhe entre lençóis que gostaria de realizar o fetiche.
A prima havia sido escolhida pela esposa para compor o trio por ser “bela, confiável e disponível”, segundo a própria. E além de parente, a prima era uma das grandes amigas da esposa. Seus atributos físicos de vinte e tantos anos de idade não foram nem um pouco minados pelo fato de já ser mãe. Pelo contrário, a maternidade aparentemente havia realçado suas curvas, enquanto a sua condição de solteira e vaidosa a mantinha determinada no cuidado com a aparência. 
A esposa ligou uma caixa de som bluetooth e colocou o seu iPhone para tocar uma playlist sexualmente convidativa, em baixo volume. Serviu o marido com uma taça de vinho e ofereceu outr…

Chuva em São Paulo

Chove em São Paulo, e sei que não há novidade nisso. Nem na chuva, nem em tudo o que ela traz. É apenas o mesmo céu vestindo o mesmo cinza, como se quisesse imitar o concreto do qual essa selva é feita. São as mesmas poças d'água, que se espalham feito minas pelo chão, onde os mais desatentos pisam na ilusão da caminhada segura; até que eles explodem, molhados e cheios de raiva.
É a conhecida garoa em sua terra natal, dizendo baixinho para mim que não vai me molhar—e me engana. É tão somente a brisa de agosto, que sopra gelada a pouco mais de setecentos metros acima do nível do mar, e se transforma em vento; às vezes vendaval. Este, por sua vez, cospe chuva através de janelas entreabertas, de onde brotam filetes que escorrem paredes abaixo desbotando tudo. É como se as janelas vertessem lágrimas. E talvez elas chorem mesmo. É possível que tudo chore: os prédios, as casas, a tinta e o asfalto. São Paulo não é das cidades mais fáceis. Quando chove, até aq…