Pular para o conteúdo principal

Piracema

Quando fui a Bonito (MS) com o meu amigo Samuel, eu não imaginava que, dentre as atividades que faríamos, a de que eu mais fosse gostar seria a experiência de flutuar no Rio Sucuri. Talvez eu apostasse no roteiro de trilhas ou na famosa visita à Gruta do Lago Azul, cartão postal do Mato Grosso do Sul. São todos passeios incríveis, pois Bonito oferece uma natureza tão espetacular e exótica que chega a parecer irreal para cidadãos residentes em cidade grande. É como se tudo aquilo fosse de mentira; uma realidade virtual. Mas foi no Rio Sucuri que eu me vi mais cercado de poesia.

(Evitei de perguntar o porquê do nome do rio, temendo a resposta. É provável que o guia turístico tenha explicado e eu não tenha prestado atenção. Algumas vezes a gente apenas respira fundo e entrega a Deus.)

Bonito não decepciona. Tampouco o Rio Sucuri. Suas águas cristalinas são as águas de rio mais lindas que vi até hoje. Elas deixam que o fundo do rio exponha toda a sua beleza para o visitante que, sempre admirado, observa os tons de verde e azul que explodem na superfície. A densa vegetação ribeirinha e o canto das araras livres gritam para os nossos sentidos que estamos em meio a um lugar selvagem, quase intocado pelo homem. E, munidos de máscara e snorkel, é possível ver peixes coloridos aos montes e a vegetação fluvial por debaixo daquelas águas místicas—o que talvez, para muitos, seja o ponto alto de estar ali.

Entretanto, o que mais me fascinou durante todo o passeio foi a flutuação em si; estar à mercê da suave correnteza do rio—deixar-me ir. Permitir que as águas me levassem enquanto eu ficava imóvel na superfície foi um doce acalento. Entende-se que naquele momento nada mais importa; aceita-se o destino, que é certo e que é bom. Foi uma das experiências mais relaxantes que já tive. Não há espaço para a pressa, não existem cobranças; nada precisa ser feito. Tudo já foi traçado pelas águas. E você somente vai, à deriva na mudez da superfície, deitado olhando para o céu, sendo acompanhado pelas nuvens. Eu diria que é terapêutico.

Dizem os poetas que a vida é como um rio, em seu percurso irremediável rumo ao oceano. Que a gente brota da terra e simplesmente escorre ladeira abaixo até se deparar com a imensidão da morte. Mas eu não creio que seja bem assim; os poetas terão que me desculpar! A vida é um rio, sim, mas que seguimos no sentido da subida, contra a correnteza. Deixar-se ir na vida real é um perigo. Quem exclusivamente se deixa ir está fadado aos mandos e desmandos alheios, e aos vícios—além do risco de ser devorado por crocodilos à espreita.

As águas que descem o rio são de uma serenidade óbvia que é incompatível com a vida de quem luta. Além da correnteza que ajuda, não existem bifurcações rio abaixo terminando em lugares diferentes, não existem escolhas a serem feitas; basta esperar. Mas da vida a gente nada pode esperar. É subindo o rio que nos deparamos com as oportunidades e com as escolhas. Elas são os afluentes que encontramos desembocando caminho acima e que nos fazem perguntar a nós mesmos se continuaremos no rio principal ou se entraremos em algum deles. E uma vez feita a escolha, não há volta.

É claro que nem todo mundo enfrenta a mesma subida. Infelizmente os rios de alguns são mais caudalosos do que os de outros. Mas todos sobem; todos precisam, ao menos, tentar subir. Pois viver é subir o rio, encarando diferentes níveis de dificuldade ao longo do percurso. É cascatinha na fuça o tempo todo. Se você parar, o rio te arrasta de volta, e eventualmente te afoga. Se vacilar, volta-se ao ponto de partida, perde-se tempo, desmorona-se tudo o que foi construído, muito mais rápido do que o tempo que você levou para chegar até ali.

A vida é a piracema, em que os peixes precisam pular degraus, enfrentar a força das águas, até que encontrem lugar seguro para depositarem seus ovos—geralmente em locais mais rasos. O rio leva embora os ovos que foram mal depositados; eles não vingam. A gente desperdiça tanto os nossos esforços... Mas faz parte; os peixes aprendem e a gente também. (Ou não.) Na verdade, é um privilégio poder aprender. Infelizmente alguns peixes nem isso conseguem, pois são capturados e devorados por aves e ursos num salto desatento. E fim. O prosseguir, por si só, talvez já seja uma dádiva.

No final, encontra-se a nascente. Veja só que ironia: o fim de tudo é se deparar com a origem, ali onde talvez se compreenda a essência do rio escalado. Molham-se os pés numa poça modesta, formada por um corpo d'água que brota misterioso; porque no fim de tudo ainda há mistério. Reduz-se tudo a um filete, apenas um filete, que cabe na palma da mão e que escorre entre os dedos; é a (falsa) sensação de entendimento das verdades e das certezas sobre tudo.

E então morre-se ali, na pequena nascente, onde a água é bem mais limpa e tranquila, adequada à alma cansada que agora vai repousar.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções após a foto. É o meu combustível para continuar escrevendo 😊
instagram: @renan.mar | facebook: nuances.r

Peixe colorido de água doce.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um tempero diferente

Minha mãe não gosta de coentro, assim como muitas pessoas. Não foram poucas as vezes que eu a ouvi dizer que esse polêmico condimento estraga a comida. Embora seja uma mulher doce e compreensiva, dona Rose costuma ser assertiva quando ela acha algo ruim. E para a comida temperada com coentro, não há salvação. O banquete pode ter sido preparado pelas mãos mais experientes, pelos chefs mais renomados da alta gastronomia, avaliado em cinco estrelas por todas as revistas de culinária francesa, mas se minha mãe percebe o coentro por ali, verdinho, picado e aparentemente inofensivo tentando se esconder, ela não valoriza o prato. Sente logo o cheiro; desiste antes de pôr na boca. “Tem coentro aqui!”, reclama fazendo cara feia, nariz torcido; empurra! Entra em saia justa e tenta ser discreta para a desfeita não ficar muito na cara.  Coentro é mau gosto do cozinheiro, diria ela. Desse jeito, sem meio-termo.  Para a minha mãe, o coentro é como

Gaveta de bilhetes

Se há pouco mais de um ano alguém tivesse me pedido para pensar em uma situação caótica capaz de cancelar o Carnaval, eu talvez pudesse mencionar uma guerra imprevista contra alguma nação implicante ou talvez citasse algum desastre natural de grande magnitude. Ou, quem sabe ainda, eu imaginasse uma mudança sócio-política-cultural drástica causada por uma revolução evangélica, onde o Estado se tornaria oficialmente cristão e a população se dobraria aos preceitos bíblicos mais autoritários (assim como aconteceu no Irã com a Revolução Islâmica). Todas essas distopias eu poderia considerar como grandes motivos para acabar com o Carnaval em nosso país. No entanto, dentro de minha visão limitada de possíveis tragédias, eu jamais incluiria o surgimento de um vírus com potencial pandêmico. Meu amigo Samuel me convidou em cima da hora para passar o feriado com ele no Rio de Janeiro. Ficamos hospedados em Copacabana e o que vimos foi uma cidade que, de

Pole dance

Chego em casa após um dia exaustivo e ainda tenho que comer essa coisa requentada em vez de comida fresca!, foi o que Cida ouviu do marido naquela noite. Furiosa, resolveu na mesma hora meter as roupas na mala e deixar Chico, sem maiores cerimônias. Pois coma com o diabo!, saiu batendo a porta. Cida foi abrigada por Kátia, sua amiga desde os tempos de colégio e agora dona de um bordel de luxo no centro da cidade. A cafetina instalou a dona de casa no melhor quarto e pediu às prostitutas que não a incomodassem. No entanto, a amizade com as meninas foi inevitável após Cida ter flagrado uma delas ensaiando num pole dance. Encantou-se imediatamente pela arte e resolveu, assim, treinar com as garotas, dia após dia. Ao passo que perdia a timidez, ganhava novo entendimento sobre o seu próprio corpo a cada encontro com a barra brilhante. Num momento de capricho e autoconfiança, Cida pediu a Kátia para se apresentar na noite de luxúria. Era pouco mais de

Ninja na farmácia

Eu estava na farmácia quando avistei Sônia (nome fictício). Imediatamente me escondi atrás de uma pilastra para que ela não me visse também. Sônia é uma senhora de uns sessenta anos; alguém que eu não conheço o bastante para ter assunto, mas que ao mesmo tempo eu conheço o suficiente para me sentir na obrigação de ter que falar mais do que um “oi”—situação essa que eu detesto. Sônia veio em minha direção, sem me notar. Virei de costas para ela. Não é antipatia, juro. É apenas timidez; um terrível desconforto. A simpatia (ou a falta dela) é uma característica que nos é dada, depende de interação com alguém. Eu não posso ser antipático com uma pessoa se ela não teve sequer a oportunidade de me ver e, portanto, de me considerar como tal. Logo, decidi me esquivar de qualquer interação com Sônia sem culpa. Fui para outro corredor enquanto Sônia escolhia sabonetes. Mesmo que eu já tivesse pego tudo o que queria, supus que ir para a fila do caixa naquele mo

Fantasia

Conheço a Marcela "de outros Carnavais", como dizem por aí. Mas foi no último baile à fantasia, em que eu estava acompanhado dos meus amigos atuais, que me lembrei novamente dela, depois de tanto tempo do nosso breve encontro na vida. Éramos dois estudantes em 2005, e nos conhecemos em um projeto de estudos para vestibulandos da área de exatas que se reuniam à tarde com o objetivo de resolver questões de provas de vestibulares anteriores. Os encontros estavam previstos para durarem apenas duas semanas. Sentei-me ao lado dela no primeiro dia de grupo. Assim como eu, Marcela estava deslocada dos demais e parecia não conhecer ninguém. Não notou a minha aproximação, mesmo com o barulho vergonhoso que fiz quando apliquei uma força mal dimensionada em minha mochila, que colidiu brutalmente com as costas da cadeira onde eu escolhi sentar. Permaneceu atenta numa folha de papel rabiscada com números e equações. O monitor da turma se apossou do quadro negro e começou a corrig