Pular para o conteúdo principal

Chuva em São Paulo

Mulher com guarda-chuva em São Paulo à noite

Chove em São Paulo, e sei que não há novidade nisso. Nem na chuva, nem em tudo o que ela traz. É apenas o mesmo céu vestindo o mesmo cinza, como se quisesse imitar o concreto do qual essa selva é feita. São as mesmas poças d'água, que se espalham feito minas pelo chão, onde os mais desatentos pisam na ilusão da caminhada segura; até que eles explodem, molhados e cheios de raiva.

É a conhecida garoa em sua terra natal, dizendo baixinho para mim que não vai me molhar—e me engana. É tão somente a brisa de agosto, que sopra gelada a pouco mais de setecentos metros acima do nível do mar, e se transforma em vento; às vezes vendaval. Este, por sua vez, cospe chuva através de janelas entreabertas, de onde brotam filetes que escorrem paredes abaixo desbotando tudo. É como se as janelas vertessem lágrimas. E talvez elas chorem mesmo. É possível que tudo chore: os prédios, as casas, a tinta e o asfalto. São Paulo não é das cidades mais fáceis. Quando chove, até aquilo que é inanimado sofre.

Que dirá o cidadão. Essa gente com quem cruzo pelas ruas; pessoas tão frias quanto o ar de hoje, encasacadas até as orelhas, preocupadas com sei lá o quê. Com a própria chuva, provavelmente, ou com os seus prazos inadiáveis ao longo da Faria Lima. Um vai-e-vem, uma correria incessante. De longe, cada alma triste e apressada é, na realidade, um pontinho de sonhos abafados, irreveláveis, julgados como ridículos (mas não são). E tudo piora sob esse temporal que mata a fé, a poesia e que encharca os olhos de quem já está acostumado a chorar escondido por entre os becos da cidade.

No entanto, existe algo diferente nos dias chuvosos que é difícil de explicar. Não sei se é todo esse cinza pintado nas nuvens e que, mesmo fosco, parece emitir um espectro de cores ocultas que só eu enxergo. Pode ser que exista alguma coisa na brisa gelada e na garoa sussurrante que me aguçam sensações curiosamente reconfortantes. Talvez sejam os filetes d'água que, ao escorrerem aleatórios e destemidos por paredes e janelas, me servem de exemplo ao me mostrarem novos caminhos. Pode ser até mesmo as poças, que espelham o céu e me fazem crer que elas trouxeram o paraíso de lá—e que eu posso visitá-lo numa só pisada.

O fato é que eu me mantenho blindado à chuva e às baixas temperaturas. E eu sei que você também. Diferente de muitas pessoas, você se encontra numa constante alegria tropical debaixo desse céu que desaba sobre nós. E me lança o teu melódico bom-dia enquanto eu esfrego meus sapatos enlameados no tapete e fecho o guarda-chuva, desajeitado. Por um segundo, um segundinho, você até se esquece do protocolo vigente e me oferece a mão macia para o cumprimento, ainda que ultimamente eu não deva tocá-la (mas eu a tocaria se ninguém estivesse olhando). Sua máscara tenta, em vão, esconder esse teu sorriso que escapa pelas ruguinhas dos teus olhos apertados.

Talvez você nem se dê conta, mas você abriga dentro de si uma ilha de veraneio, onde o sol reina absoluto e descansa sobre um mar de água morna e cristalina. Gosto de acreditar que a tua simpatia seja o portal que me leva até lá. Pois a verdade é que a minha pele é impermeável e vence a chuva e o frio de tal maneira que, aqui dentro, tudo permanece ardendo. E eu, meu bem, mal posso esperar pelas férias.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções lá embaixo! É o meu combustível para continuar escrevendo 😊
- instagram: @renan.mar 
- facebook: nuances.r

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando minha mãe vem me visitar

Quando minha mãe vem me visitar, a primeira coisa que ela faz é reclamar; a segunda é me dar amor. Anda pelos cômodos, abre gavetas, geladeira, diz que falta isso e aquilo e que eu deveria fazer tal e tal coisa. Depois ela faz café e me oferece docinho na medida dentro de uma xícara que eu nem lembrava que tinha, retirada do fundo inexplorado do meu armário de solteiro. Estava com saudade!, diz. E então logo eu começo a ouvir barulhos e a sentir cheiros sem que eu precise fazer nada. A gente que mora sozinho fica sensível a qualquer estímulo em casa que não tenha sido provocado por nós. Levo susto na sala com o chiado repentino vindo da cozinha: cebola e alho postos para refogar. Não tem jeito, costumo ter pouco sucesso em chamá-la para comer fora. No fim da tarde, é o esmalte e a acetona que se espalham no ar enquanto ela faz as unhas em frente às novelas mexicanas. Sei de longe que é novela mexicana por causa da trilha s

Desmonte

Numa manhã de dia útil no escritório, já no final de novembro, uma moça que trabalha no mesmo prédio que eu comentou que ainda não havia enfeites de Natal por ali. Questionava a ausência das cores e luzes de fim de ano para alegrar os tons frios das mesas, cadeiras e gaveteiros. O alerta não passou despercebido. Imediatamente, parei de olhar para a tela do computador e me peguei por alguns segundos com o cotovelo apoiado na mesa, a mão segurando o queixo e o olhar distante. Depois olhei ao redor. De fato, ainda não havia por ali árvore de Natal, guirlanda, ou boneco de Papai Noel.  No dia seguinte, cheguei ao trabalho com alguns enfeites para adornar a palmeirinha que possuo em minha mesa. "Gostei do seu mato de Natal", comentou um dos colegas, em tom de deboche. De fato, a palmeirinha mais parece mato que cresce do nada em qualquer terra de beira de estrada. Mas era o único ser vivo por ali que poderia servir de árvore de Natal. Eu até pod

Pole dance

Chego em casa após um dia exaustivo e ainda tenho que comer essa coisa requentada em vez de comida fresca!, foi o que Cida ouviu do marido naquela noite. Furiosa, resolveu na mesma hora meter as roupas na mala e deixar Chico, sem maiores cerimônias. Pois coma com o diabo!, saiu batendo a porta. Cida foi abrigada por Kátia, sua amiga desde os tempos de colégio e agora dona de um bordel de luxo no centro da cidade. A cafetina instalou a dona de casa no melhor quarto e pediu às prostitutas que não a incomodassem. No entanto, a amizade com as meninas foi inevitável após Cida ter flagrado uma delas ensaiando num pole dance. Encantou-se imediatamente pela arte e resolveu, assim, treinar com as garotas, dia após dia. Ao passo que perdia a timidez, ganhava novo entendimento sobre o seu próprio corpo a cada encontro com a barra brilhante. Num momento de capricho e autoconfiança, Cida pediu a Kátia para se apresentar na noite de luxúria. Era pouco mais de

Beijo no semáforo

Já passava da meia-noite quando eu estava em meu carro voltando para casa após um encontro com amigos. Próximo ao cruzamento com uma avenida, o carro na minha frente foi reduzindo a velocidade assim que o semáforo ficou amarelo. Acredito que ninguém se sinta confortável em parar tarde da noite nos semáforos de cidades grandes, mas aquele era um cruzamento com uma avenida importante, onde o fluxo de carros se mantinha razoável mesmo durante a madrugada. Não tinha como avançar. Através do vidro traseiro do carro da frente, eu pude notar que dentro dele havia um casal, e que o homem era o motorista. Aquele semáforo já era um velho conhecido meu; eu sabia que ele demoraria no vermelho. E parecia que o casal também sabia disso, pois assim que pararam o carro, observei que o homem puxou o freio de mão. Em seguida, ambos se olharam. A penumbra causada pela luz dos postes era suficiente para que eu conseguisse enxergar o contorno iluminado daqueles dois rost

Garotinha do papai

    - Alô! - Alô, pai? - Oi, minha princesa! Diga. - Chegou bem no trabalho? - Sim, já estou no escritório. - Que horas você volta hoje? - Por volta das sete, por quê? - Preciso de um favor seu… - Fale, meu amor. - Poderia passar na farmácia e comprar um pacote de camisinhas pra mim? - Oi? - Passar na farmácia e comprar camisinhas pra mim… - Como assim, Luana? - É que hoje eu vou transar com o meu namorado pela primeira vez. Ele é meio distraído, não sei se vai se lembrar de levar... - Luana, você está doida? Como é que você me pede uma coisa dessas? - Ué, algum problema? - Luana, você tem apenas dezesseis anos! - Eu sei. E todas as minhas amigas já transaram, só eu é que… - Luana, isso não é justificativa! Eu não estou acreditando que você está me pedindo isso! - Pai, você não vive me dizendo que eu posso contar com o senhor pra qualquer coisa? - Mas não pra isso! Onde já se viu? - Mas eu pensei que… - Pensou errado! Cale essa sua boca! Não quero mais saber disso! Aliás, desde quando