Pular para o conteúdo principal

Beijo no semáforo

semaforo vermelho com desenho de coração

Já passava da meia-noite quando eu estava em meu carro voltando para casa após um encontro com amigos. Próximo ao cruzamento com uma avenida, o carro na minha frente foi reduzindo a velocidade assim que o semáforo ficou amarelo. Acredito que ninguém se sinta confortável em parar tarde da noite nos semáforos de cidades grandes, mas aquele era um cruzamento com uma avenida importante, onde o fluxo de carros se mantinha razoável mesmo durante a madrugada. Não tinha como avançar.

Através do vidro traseiro do carro da frente, eu pude notar que dentro dele havia um casal, e que o homem era o motorista. Aquele semáforo já era um velho conhecido meu; eu sabia que ele demoraria no vermelho. E parecia que o casal também sabia disso, pois assim que pararam o carro, observei que o homem puxou o freio de mão. Em seguida, ambos se olharam. A penumbra causada pela luz dos postes era suficiente para que eu conseguisse enxergar o contorno iluminado daqueles dois rostos, que para mim pareciam duas pinturas egípcias, desenhadas de perfil, pescoços torcidos. 

A mulher tocou delicadamente a face do motorista com a mão esquerda, e foi retribuída por ele com uma carícia que começava na testa e ia deslizando pelos seus cabelos até chegar aos ombros. Não demorou muito para que eles se enroscassem num beijo profundo, apaixonado; um beijo daqueles de encontro em estação de trem, de quem amargava na saudade e esperou por aquilo durante dias, semanas, meses, quiçá anos.

O mais interessante daquele beijo foi o fato de que me pareceu ter sido a mulher que puxou o homem para si. Talvez ela estivesse cansada de esperar a iniciativa do rapaz ou talvez já tivesse entendido que no Séc. XXI ela podia ser dona de suas próprias vontades, sem precisar esperar nem um segundo por nada. Não tive como saber se aquele era o primeiro beijo entre eles; só posso dizer que ele ardia como se fosse, e demorava como se fosse.

Todo mundo deveria experimentar um beijo diante do semáforo; esse desejo incapaz de aguardar o momento mais adequado e ao qual nos entregamos pouco a pouco ao longo das migalhas que o tempo oferece. Nenhum minuto vago pode ser desperdiçado e qualquer sinal fechado se torna oportuno—freio de mão, pisca-alerta! Uma paixão que às vezes exagera e testa os amortecedores e embaça os vidros de um carro movido a gasolina e luxúria, onde o impulso esbarra no pudor de guardas e pedestres desavisados.

Os amantes daquele carro contrastavam com a frieza das ruas, d'onde surgem o tempo todo pessoas descoloridas, formais e que, por terem suas almas já devastadas pela rotina, não conseguem mais compreender que nas pupilas de outros nadam mil desejos. Elas dão valor excessivo a esse comedimento que não permite aproveitar o vermelho de um semáforo, e que ainda assim atrapalha o trânsito de uma cidade que grita por verde através das rachaduras do concreto.

Pessoas essas que escrevem poesias mornas, e poesias essas que nunca podem soar nem tristes e nem felizes demais. O medo da pieguice por parte de quem já sofreu as pancadas da vida faz com que algumas palavras boas assustem: tesão, víscera, furor, êxtase.

Mas eu não posso me retrair por causa de meia dúzia de desilusões vividas, e deixar assim de vislumbrar as pequenas oportunidades de prazer que os sinais fechados no caminho me oferecem. Eu me preocupo mais em ter a minha imagem desbotada do que tê-la manchada, pois o meu maior medo é passar despercebido pela vida, ofuscado por regras estúpidas e convenções questionáveis. Ou pior: aprisionado nas coisas que eu mesmo inventei para mim.

Aquele sinal finalmente havia ficado verde, mas o casal continuava entrelaçado. Esperei alguns segundos antes de buzinar—por aviso e não por impaciência. No susto, o rapaz se afastou da moça e olhou para o meu carro através do retrovisor interno. Pude perceber o quão atrapalhado ele ficou: descoordenou-se nos movimentos e ameaçou sair com o carro antes de baixar o freio de mão.

Decidi então ultrapassá-los e, ao ficar ao lado do motorista, vi que ele me sorria constrangido. Acredito eu ter esboçado um sorriso de cumplicidade de volta. Enquanto eu ia me afastando, já à frente, eu olhava o carro deles pelo espelho até que finalmente saíssem do lugar e virassem na avenida acelerados, feito dois gatos no cio escorraçados por um balde d'água.  

Bobagem. Os gatos no cio não deveriam temer. Pelos postes da rua que criam a penumbra perfeita, pelo sinal fechado que favorece o beijo e pelos vidros que se embaçam com os corpos suados e contorcidos em miados baixinhos, eu queria poder dizer mais claramente àquele casal que estava tudo bem.

Belchior que me desculpe, pois se fosse vivo ainda, talvez ficasse insatisfeito com a adaptação um pouco mais libidinosa de sua letra; tudo para dizer que vivemos hoje numa época em que vencemos, e que o sinal agora está aberto para nós, jovens ou velhos. Sinal verde esse que atravesso, no qual eu me jogo. Pois de vermelho em minha vida, só se for o fogo.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções lá embaixo. É o meu combustível para continuar escrevendo. Leia também os outros textos 😊
- instagram: @renan.mar
- facebook: nuances.r

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bluetooth

Hoje eu me lembrei daquelas noites no carro, quando eu ia te buscar e ficávamos durante algum tempo estacionados ouvindo nossas músicas. Elas se tornavam “nossas” músicas a partir do momento que tocavam ali, em meio ao nosso cenário de carinho e entrega. Celulares emparelhados, o meu ou o teu, deixávamos tocar o que viesse. E assim, sem querer, montávamos a playlist de uma história. Você deitava no meu ombro e me contava sobre o seu dia e também sobre o seu passado; coisas bobas quaisquer que a minha mente inquieta se esforçava para assimilar, palavra por palavra (eu, que não sou de perguntar muito, ficava todo curioso), tudo para que eu pudesse saber o máximo sobre você. Vez ou outra você se lembrava de alguma música e insistia para que a ouvíssemos juntos. Quando era o meu celular que estava conectado, você pedia gentilmente para mudar para o teu. Mas não ficávamos numa só das tuas canções. L

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência. Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose. Entretanto, eu me encontrava em minha casa naq

A travesti da padaria

Era madrugada de sábado para domingo, quase amanhecendo, e eu estava tomando café numa dessas imensas padarias paulistanas, após curtir a noite, numa época em que a pandemia ainda era algo impensável para nós. Qualquer carioca suburbano (feito eu) que nunca tenha passado tempo suficiente em São Paulo talvez não seja capaz de compreender que frequentar as padarias da maior cidade do Brasil vai muito além de simplesmente esperar numa fila para comprar pão, leite e manteiga. As padarias de São Paulo são palcos de confraternizações e do surgimento de grandes amizades e amores sob a garoa. Enquanto idosos comem brioches num canto, jovens eufóricos se reúnem noutro para aumentar os níveis de glicose após uma noite de bebedeira (ou para beberem ainda mais). Essas padarias possuem catracas nas entradas, mesas confortáveis, garçons, balcões de atendimento rápido, pratos exclusivos da casa (muitos deles até se tornam famosos na cidade toda) e estão quase sempre cheias

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito. Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas

Encontros

Não existe amor à primeira vista. O que existe é conexão no primeiro encontro: são olhares e sorrisos em sincronia, beijos avassaladores, encaixe perfeito de corpos e boas ideias que batem. Em outras palavras, um pequeno pedaço do paraíso que desce angelicalmente sobre você. Mas não se iluda, isso não é amor. É entretenimento a dois, distração e fantasia compartilhada. Não que essas coisas não sejam sinceras; elas também são. Um simples encontro também é cheio de verdades, mesmo que ele seja casual. Aliás, é difícil pensar em algo mais genuíno do que os nossos desejos; todos eles, dos mais nobres aos mais carnais. Além disso, acredito que poucas pessoas sejam tão teatrais ao ponto de conseguirem simular com desenvoltura um entrosamento que não existe com alguém.  Logo, aquilo que foi bom numa noite calorosa também é  legítimo, ainda que tudo tenha se dissolvido à luz do sol na manhã seguinte.  Como no célebre soneto de Vinicius de Moraes, no “que seja infinito enquanto dure", p