Pular para o conteúdo principal

Beijo no semáforo

semaforo vermelho com desenho de coração

Já passava da meia-noite quando eu estava em meu carro voltando para casa após um encontro com amigos. Próximo ao cruzamento com uma avenida, o carro na minha frente foi reduzindo a velocidade assim que o semáforo ficou amarelo. Acredito que ninguém se sinta confortável em parar tarde da noite nos semáforos de cidades grandes, mas aquele era um cruzamento com uma avenida importante, onde o fluxo de carros se mantinha razoável mesmo durante a madrugada. Não tinha como avançar.

Através do vidro traseiro do carro da frente, eu pude notar que dentro dele havia um casal, e que o homem era o motorista. Aquele semáforo já era um velho conhecido meu; eu sabia que ele demoraria no vermelho. E parecia que o casal também sabia disso, pois assim que pararam o carro, observei que o homem puxou o freio de mão. Em seguida, ambos se olharam. A penumbra causada pela luz dos postes era suficiente para que eu conseguisse enxergar o contorno iluminado daqueles dois rostos, que para mim pareciam duas pinturas egípcias, desenhadas de perfil, pescoços torcidos. 

A mulher tocou delicadamente a face do motorista com a mão esquerda, e foi retribuída por ele com uma carícia que começava na testa e ia deslizando pelos seus cabelos até chegar aos ombros. Não demorou muito para que eles se enroscassem num beijo profundo, apaixonado; um beijo daqueles de encontro em estação de trem, de quem amargava na saudade e esperou por aquilo durante dias, semanas, meses, quiçá anos.

O mais interessante daquele beijo foi o fato de que me pareceu ter sido a mulher que puxou o homem para si. Talvez ela estivesse cansada de esperar a iniciativa do rapaz ou talvez já tivesse entendido que no Séc. XXI ela podia ser dona de suas próprias vontades, sem precisar esperar nem um segundo por nada. Não tive como saber se aquele era o primeiro beijo entre eles; só posso dizer que ele ardia como se fosse, e demorava como se fosse.

Todo mundo deveria experimentar um beijo diante do semáforo; esse desejo incapaz de aguardar o momento mais adequado e ao qual nos entregamos pouco a pouco ao longo das migalhas que o tempo oferece. Nenhum minuto vago pode ser desperdiçado e qualquer sinal fechado se torna oportuno—freio de mão, pisca-alerta! Uma paixão que às vezes exagera e testa os amortecedores e embaça os vidros de um carro movido a gasolina e luxúria, onde o impulso esbarra no pudor de guardas e pedestres desavisados.

Os amantes daquele carro contrastavam com a frieza das ruas, d'onde surgem o tempo todo pessoas descoloridas, formais e que, por terem suas almas já devastadas pela rotina, não conseguem mais compreender que nas pupilas de outros nadam mil desejos. Elas dão valor excessivo a esse comedimento que não permite aproveitar o vermelho de um semáforo, e que ainda assim atrapalha o trânsito de uma cidade que grita por verde através das rachaduras do concreto.

Pessoas essas que escrevem poesias mornas, e poesias essas que nunca podem soar nem tristes e nem felizes demais. O medo da pieguice por parte de quem já sofreu as pancadas da vida faz com que algumas palavras boas assustem: tesão, víscera, furor, êxtase.

Mas eu não posso me retrair por causa de meia dúzia de desilusões vividas, e deixar assim de vislumbrar as pequenas oportunidades de prazer que os sinais fechados no caminho me oferecem. Eu me preocupo mais em ter a minha imagem desbotada do que tê-la manchada, pois o meu maior medo é passar despercebido pela vida, ofuscado por regras estúpidas e convenções questionáveis. Ou pior: aprisionado nas coisas que eu mesmo inventei para mim.

Aquele sinal finalmente havia ficado verde, mas o casal continuava entrelaçado. Esperei alguns segundos antes de buzinar—por aviso e não por impaciência. No susto, o rapaz se afastou da moça e olhou para o meu carro através do retrovisor interno. Pude perceber o quão atrapalhado ele ficou: descoordenou-se nos movimentos e ameaçou sair com o carro antes de baixar o freio de mão.

Decidi então ultrapassá-los e, ao ficar ao lado do motorista, vi que ele me sorria constrangido. Acredito eu ter esboçado um sorriso de cumplicidade de volta. Enquanto eu ia me afastando, já à frente, eu olhava o carro deles pelo espelho até que finalmente saíssem do lugar e virassem na avenida acelerados, feito dois gatos no cio escorraçados por um balde d'água.  

Bobagem. Os gatos no cio não deveriam temer. Pelos postes da rua que criam a penumbra perfeita, pelo sinal fechado que favorece o beijo e pelos vidros que se embaçam com os corpos suados e contorcidos em miados baixinhos, eu queria poder dizer mais claramente àquele casal que estava tudo bem.

Belchior que me desculpe, pois se fosse vivo ainda, talvez ficasse insatisfeito com a adaptação um pouco mais libidinosa de sua letra; tudo para dizer que vivemos hoje numa época em que vencemos, e que o sinal agora está aberto para nós, jovens ou velhos. Sinal verde esse que atravesso, no qual eu me jogo. Pois de vermelho em minha vida, só se for o fogo.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções lá embaixo. É o meu combustível para continuar escrevendo. Leia também os outros textos 😊
- instagram: @renan.mar
- facebook: nuances.r

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terra plana

A Terra é plana. Sim, eu descobri que é. É plana porque eu tropecei na esquina do mundo e caí para fora dele. Antes disso, eu corria de braços abertos a favor do vento, gargalhava os privilégios de todas as aventuras que podia, cantava de olhos fechados ao som dos violões mais afinados... até que de repente eu caí. Caí do nada, e no nada. E cá estou, flutuando logo abaixo da grande crosta. Daqui, posso ver as raízes de todas as florestas, as relíquias enterradas de todas as culturas, as veias de todos os rios saltadas para mim. Consigo ver fósseis de seres que já não existem, tumbas de deuses e reis que um dia mandaram e desmandaram lá em cima, além de todo o lixo que pinga chorume em meu rosto e escorre boca adentro. Não consigo respirar, engasgo, sinto um nojo colossal do líquido fedido que sai das coisas que antes me faziam sorrir. Olho para os lados e vejo vários pontinhos longe de mim e afastados uns dos outros; é gente que também caiu do mundo

As estrelas não se importam

Mais uma vez eu estava sentado na cadeira do escritório, cabelo penteado, todo adultinho, na segunda metade dos anos 1990. Durante as férias escolares, meu pai adorava me levar para o trabalho com ele, na Cinelândia; e eu adorava ir. Ele sempre me colocava numa mesa em L só para mim, com computador, canetas, papéis para rascunho, grampeadores, tudo, que provavelmente pertenciam a algum funcionário recém-demitido. A Mesbla havia decretado falência e, cada vez que eu voltava lá com o meu pai, havia menos gente e mais computadores órfãos espalhados pelo departamento administrativo. Eu até podia escolher onde queria ficar. Eu ainda não tinha computador em casa naquela época e, portanto, ter um só para mim durante todo o expediente do meu pai era maravilhoso. Assim que chegávamos, meu pai me apresentava à sociedade daquela firma: uns caras maneirinhos que faziam cafuné em mim no estilo  "E aí garotão, beleza, você é o famoso Renan então? Teu pai fala muito de você, bom aluno mas não jo

O menino que não tinha TV em casa

Samuel não é meu amigo de longa data, mas eu gostaria que fosse. Nós nos conhecemos no feriado prolongado de novembro de 2018, no Rio de Janeiro. De início, talvez ele tenha se esforçado mais do que eu para que nossa amizade sobrevivesse ao calor carioca (não consigo fazer nada direito no calor, inclusive amizades); e eu lhe agradeço por isso. Se não fosse por ele, eu jamais teria vivido os bons momentos que sua presença me proporcionou até aqui, tais quais o nosso passeio em Bonito (MS) e as incontáveis sociais em nossas casas. Engana-se quem o vê pela primeira vez e pensa que ele é quieto. De uma hora para outra, quando eu menos espero, ele desanda a falar; geralmente, algo interessante. Mas, distraído que sou, por vezes eu me perco em suas palavras. Daí que sou devidamente repreendido. "Repita o que eu estava te dizendo agora...". Entro em desespero, e tento repetir a história com as palavras soltas que ouvi. "Não é nada disso", finaliza ele, decepcionado. Porém,

O canto do galo

Levantar cedo nunca foi uma de minhas virtudes, embora seja uma obrigação que cumpro. Tenho apego ao travesseiro assim como um bebê perante a sua chupeta. Quase choro todas as manhãs por deixá-lo sozinho, longe do meu calor, esfriando ao longo do dia. O que me salva são os afazeres diários, impostos por uma sociedade que preza pelos primeiros raios de sol. Não me entendam mal: eu adoro as manhãs, e contemplá-las me deixa inspirado. Mas eu realmente sinto uma dificuldade crônica em aproveitá-las nos dias em que eu posso dormir até mais tarde. Em outras palavras, uma preguiça colossal. Não importa o quão cedo eu durma no dia anterior; levantar da cama na manhã seguinte é sempre tarefa difícil para mim. Todas as noites eu ativo o alarme do celular para me despertar quarenta e cinco minutos antes do horário real. E são esses quarenta e cinco minutos que me fazem ir aceitando, aos poucos, o fato de que preciso sair da cama e encarar a vida. Mesmo assim, e

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito. Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas