Pular para o conteúdo principal

A travesti da padaria

moça segurando uma cesta de pães

Era madrugada de sábado para domingo, quase amanhecendo, e eu estava tomando café numa dessas imensas padarias paulistanas, após curtir a noite, numa época em que a pandemia ainda era algo impensável para nós. Qualquer carioca suburbano (feito eu) que nunca tenha passado tempo suficiente em São Paulo talvez não seja capaz de compreender que frequentar as padarias da maior cidade do Brasil vai muito além de simplesmente esperar numa fila para comprar pão, leite e manteiga.

As padarias de São Paulo são palcos de confraternizações e do surgimento de grandes amizades e amores sob a garoa. Enquanto idosos comem brioches num canto, jovens eufóricos se reúnem noutro para aumentar os níveis de glicose após uma noite de bebedeira (ou para beberem ainda mais).

Essas padarias possuem catracas nas entradas, mesas confortáveis, garçons, balcões de atendimento rápido, pratos exclusivos da casa (muitos deles até se tornam famosos na cidade toda) e estão quase sempre cheias durante as 24h por dia em que funcionam.

Paulistanos e residentes costumam marcar encontros na padaria—ir à padaria é um rolê por aqui! E é por isso que, entre pães e cafés sofisticados, nós podemos encontrar pessoas de todos os tipos. A qualquer momento.

Foi nesse universo movimentado antes das seis da manhã que uma moça apareceu e logo se sentou ao meu lado no balcão central, que também funciona como bar. De início, eu não reparei nela, apesar de que parecia ter 1,90 de altura. Com um movimento brusco, tirou a bolsa a tiracolo do corpo, fazendo-a estalar alto sobre um assento desocupado. Pediu uma dose de cachaça ao atendente, e só então eu tive curiosidade de olhar para ela.

A travesti usava uma jaqueta jeans com brilhos espalhados por todo o tecido, tinha as unhas pintadas de branco, cabelo escuro pouco abaixo do ombro, a boca vermelhona de batom e, no rosto, uma mistura de tons quentes da maquiagem. Ela, então, olhou para mim e me analisou com seus olhos de cílios postiços enormes, de baixo para cima, terminando por mirar bem no fundo dos meus.

'Me chamo Fabiana, prazer', cumprimentou-me oferecendo a mão tal qual uma donzela da década de 20. 'Sou Renan', respondi a abordagem com a voz meio lenta de cansaço, porém agradável e beijando sua mão. Apesar de ter se dirigido a mim primeiro, Fabiana não parecia interessada em conversar. Talvez só quisesse saber se alguém a responderia; um teste de existência numa metrópole que às vezes mal nota a gente.

Não demorou muito para que o copo de cachaça fosse posto a sua frente. Fabiana logo o levou à boca e fez descer tudo de uma vez só, como deve ser. Depois, bateu o copo no balcão concentrada e decidida, como se descesse um cajado numa decisão importante. Ainda com a mão esticada segurando o copo vazio, virou o rosto e olhou novamente para mim. Apertou os lábios, respirou fundo, finalmente largou o copo e, com o dedo em riste, disse 'Menino, nunca entregue o seu coração a ninguém, tá me ouvindo? Ninguém! A gente não merece!'. Em seguida, pegou a bolsa e saiu em direção ao caixa sem dizer mais nada.

Eu não lembro o que eu comia naquela ocasião, mas sei que eu fiquei com a comida na boca por alguns segundos, sem mastigar, processando as palavras de Fabiana.

Olhei para o celular e vi a mensagem da pessoa com quem eu estava saindo e que havia ido à festa comigo naquela noite. 'Cada vez mais adorando nós dois, beijos!', dizia mais ou menos assim o recado. Creio que Fabiana ficaria decepcionada comigo, pois já era tarde demais. O meu coração já estava entregue. Aquela mensagem me fez abrir um sorriso de empurrar as orelhas.

Retornei àquela padaria não muito tempo depois, mas dessa vez eu a encontrei fechada. Fiquei surpreso, pois era uma padaria 24h e aquele era um dia em que ela costumava encher mais. Eu só queria comer alguma coisa doce, um sonho talvez; algo que amenizasse o fato de eu estar, naquele dia, um tanto despedaçado por dentro. Meu lance não havia dado certo.

Caso uma incrível coincidência fizesse com que Fabiana estivesse ali e me encontrasse novamente, ela poderia me dizer 'Eu te avisei, garoto! Eu te avisei!', com o mesmo dedo em riste.

Mas tudo bem, minha cara amiga travesti... essas coisas acontecem mesmo. Eu já frustrei corações por aí também. Eu sei que, assim como eu, você de vez em quando dá de cara nessas padarias sedutoras e cheias de vida na madrugada, que, de uma hora para outra (e sem que a gente entenda), fecham as portas para nós.

Mas nada que um sonho de outra padaria não resolva, Fabiana. Afinal, São Paulo é cheia delas.

Olá! Meu nome é Renan. Se você gostou deste texto, comente e compartilhe nas opções lá embaixo. É o meu combustível para continuar escrevendo. Leia também os outros textos 😊
- instagram: @renan.mar
- facebook: nuances.r

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Deixa eu dizer que te amo...

A vida oferece, a todo instante, momentos sutilmente encantadores para que possamos apreciar. Mas, às vezes, por falta de sensibilidade, pressa ou mesmo pura distração, nós não percebemos. Por sorte, quiseram as estrelas que no último dia dez de maio eu estivesse aguçado o suficiente para que não deixasse de reparar numa pequena graça em forma de coincidência. Foi o domingo de Dia das Mães, uma das poucas vezes em que estive longe da minha mãe nessa data. Era noite, e eu já havia conversado com ela pelo telefone e renovado as declarações do amor mais sincero que possuo. Ficou feliz com as flores que eu enviei para a sua casa. Quando eu vim para São Paulo, uma das minhas maiores angústias vinha da ideia de ficar longe da minha família. Porém, hoje eu até me sinto privilegiado por morar razoavelmente próximo de todos. O Rio de Janeiro é logo ali. Se não fossem tempos de pandemia, eu teria passado esse dia, mais uma vez, ao lado de dona Rose. Entretanto, eu me encontrava em minha casa naq

Gonorreia

Ontem fizeram uma socialzinha aqui em casa, coisa de Marcia, sua amiga e seu namorado. Todos insuportáveis. Mamãe detestava esse entra-e-sai de gente na sala dela, bastou morrer para que minha irmã transformasse isso aqui num boteco de esquina. Não, não. Pensando bem, se mamãe ainda desse o ar de sua desgraça nesse mundo, talvez ela não se importasse com essa gente de Marcia pisando em seu tapete, afinal, diferente de mim, minha irmã sempre pôde fazer tudo nessa casa. A primeira a chegar foi Claudete, a amiga. Soube que era ela assim que eu desci as escadas, por causa do cheiro de cigarro misturado com aquele perfume horroroso de flores que ela usa, essas flores típicas de coroas fúnebres para homenagear os mortos. Rosas brancas, crisântemos, lírios. Veio me cumprimentar por obrigação como sempre faz, com o seu sorriso amarelado de nicotina e aquelas mãos geladas. Praticamente uma defunta, uma defunta defumada. Claudete não gosta de mim. Certa vez negou-me um ci

Quarentena

Da janela no nono andar, vejo as luzes da cidade brilhando cada vez mais. Anoitece em São Paulo e o frio de maio já começa a dar as caras. Disseram que a moléstia veio lá do Oriente; não se sabe se por meio de avião, navio ou vacilo. Pedem que eu não saia de casa, pois a tosse é traiçoeira e o agravamento tem como um dos pilares uma roleta russa medonha. Além do mais, eu não me perdoaria se ajudasse a enterrar idosos e crônicos. Evito. Sugerem que é a oportunidade de nos conhecermos melhor, isolados. Não deveria ser necessária uma pandemia para isso. Mas como o ser humano não é o ser mais trivial da Terra, as ocasiões vivem colocando em xeque a noção que temos de nós mesmos. Vale a sugestão. Estou me conhecendo sim, e, confesso, me reconhecendo insuportável às vezes. Olho-me através espelho e dou broncas sérias no reflexo. Dedo em riste (às vezes o médio). Faço as pazes comigo para depois me aborrecer novamente. Sou daqueles casais que muito brigam e nunca se separam. Mas

O canto do galo

Levantar cedo nunca foi uma de minhas virtudes, embora seja uma obrigação que cumpro. Tenho apego ao travesseiro assim como um bebê perante a sua chupeta. Quase choro todas as manhãs por deixá-lo sozinho, longe do meu calor, esfriando ao longo do dia. O que me salva são os afazeres diários, impostos por uma sociedade que preza pelos primeiros raios de sol. Não me entendam mal: eu adoro as manhãs, e contemplá-las me deixa inspirado. Mas eu realmente sinto uma dificuldade crônica em aproveitá-las nos dias em que eu posso dormir até mais tarde. Em outras palavras, uma preguiça colossal. Não importa o quão cedo eu durma no dia anterior; levantar da cama na manhã seguinte é sempre tarefa difícil para mim. Todas as noites eu ativo o alarme do celular para me despertar quarenta e cinco minutos antes do horário real. E são esses quarenta e cinco minutos que me fazem ir aceitando, aos poucos, o fato de que preciso sair da cama e encarar a vida. Mesmo assim, e

O menino que não tinha TV em casa

Samuel não é meu amigo de longa data, mas eu gostaria que fosse. Nós nos conhecemos no feriado prolongado de novembro de 2018, no Rio de Janeiro. De início, talvez ele tenha se esforçado mais do que eu para que nossa amizade sobrevivesse ao calor carioca (não consigo fazer nada direito no calor, inclusive amizades); e eu lhe agradeço por isso. Se não fosse por ele, eu jamais teria vivido os bons momentos que sua presença me proporcionou até aqui, tais quais o nosso passeio em Bonito (MS) e as incontáveis sociais em nossas casas. Engana-se quem o vê pela primeira vez e pensa que ele é quieto. De uma hora para outra, quando eu menos espero, ele desanda a falar; geralmente, algo interessante. Mas, distraído que sou, por vezes eu me perco em suas palavras. Daí que sou devidamente repreendido. "Repita o que eu estava te dizendo agora...". Entro em desespero, e tento repetir a história com as palavras soltas que ouvi. "Não é nada disso", finaliza ele, decepcionado. Porém,